ECONOMIA

Setor agropecuário é uma das prioridades de governo

Com o crescimento do PIB, investimentos no setor devem fortalecer a produção e a comercialização no estado

Reprodução

O setor econômico no Maranhão parece estar se mantendo equilibrado e com grandes possibilidades de crescimento ao longo do ano. De acordo com dados de um relatório do Itaú Unibanco publicado no último dia 10, o PIB (Produto Interno Bruto) do estado cresceu 9,7% em 2017, enquanto a média no resto do país foi de 1%. Com esses números, o governo do estado já previu investimentos públicos da ordem de R$ 1 bilhão em 2018.

Dentre os setores que mais crescem no estado, o agropecuário tem destaque devido aos números positivos apresentados em 2017. Além da supersafra registrada no ano passado, segundo a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), os incentivos fiscais para a redução de 12% para 2% nas alíquotas do ICMS para a soja, milho, milheto e sorgo proporcionaram maior rendimento aos produtores, que tiveram um ganho de pelo menos 10%.

O secretário da Sagrima, Márcio Honaiser, destaca a relevância do setor agropecuário no governo, que, segundo ele, é um dos pilares para o desenvolvimento do estado. “Nós já sabíamos que o Maranhão seria um dos estados que mais iriam crescer economicamente em 2017, principalmente puxado pelo setor agropecuário. Devemos isso a uma série de ações que envolvem o comprometimento do produtor, investimentos do governo do estado para desenvolver esse setor”.

Leia também: Maranhão é o segundo estado que mais controla gastos, diz pesquisa 

Planejamento econômico

O Maranhão tem fatores importantes para o crescimento da agropecuária que o colocam entre os melhores nesse setor, segundo Honaiser. Localização do Porto, que facilita o escoamento, solos produtivo e pessoal capacitado são alguns exemplos que o secretário pontua como relevantes no estado.

Para Honaiser, o que ainda faltava para o setor e que agora está sendo realizado com maior eficiência era o planejamento das ações, tanto para investimentos, quanto para capacitação de produtores.

“Existe um planejamento. O governo fez em 2016 o primeiro Plano Agropecuário do Estado, que antes não tinha, que ajuda a dar direcionamento às ações. Foi criado também o Sistema Estadual de Produção e Abastecimento (Sepab), que junta cinco secretarias e desenvolve ações para o setor produtivo, trabalhando toda a cadeia produtiva”.

Para os consumidores do estado, Honaiser elenca uma série de fatores favoráveis relacionados ao crescimento agropecuário dos últimos anos. “Além de ajudar no desenvolvimento da economia do estado, gerar emprego e renda, para o consumidor também é bom porque ele passa a ter um produto recém-colhido, mais saudável e na maioria agroecológico, tendo a certeza de que está consumindo um produto de qualidade e local, ajudando no desenvolvimento do seu estado”.

Saiba mais

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS