Caso David Aragão

Apreendido menor envolvido em assassinato de delegado da PF

Segundo informações da Polícia Civil, um adolescente de 17 anos foi o responsável pelos golpes de faca desferidos contra David Farias de Aragão

O delegado David Farias atuava na Polícia Federal há 12 anos e atualmente respondia pela Delegacia de Repressão aos Crimes Fazendários. Foto: Reprodução

Foi apreendido na manhã desta segunda-feira, 7, um adolescente de 17 anos, suspeito de ser um dos envolvidos na morte do delegado da Polícia Federal, David Farias de Aragão, no último sábado, 05.

Ele foi capturado pela polícia civil durante diligências nas imediações do bairro da Divinéia, em São Luís. O terceiro envolvido, identificado como Davi Costa Martins é considerado foragido da justiça e teve a prisão preventiva decretada também nesta manhã.

De acordo com o delegado Jefrey Furtado, da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), o adolescente foi o responsável pelos golpes de faca desferidos contra a vítima. 

A polícia já havia prendido Wanderson de Morais Baldez, no domingo, 6, horas após o crime, enquanto aguardava por atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Luizão.

O Crime

O delegado David Aragão foi morto por três homens que invadiram sua casa de veraneio, localizada na Praia do Meio, município de São José de Ribamar, a 32 quilômetros da capital do estado. O delegado comemorava, com a família, o aniversário de cinco anos de uma das duas filhas, quando foi surpreendido pelo assalto.

Os bandidos invadiram o local e começaram a recolher os pertences de quem estava na varanda da casa. Ao perceber a ação, o delegado David Aragão reagiu e, ao travar uma luta corporal com os assaltantes, o delegado disparou um tiro no braço de Wanderson Baldez.

Aragão foi atingido por três facadas e tiros na região do tórax e do abdômen e foi levado para a UPA do Araçagi. Posteriormente, foi transferido para o Hospital São Domingos, onde já chegou sem vida.

Os bandidos fugiram e deixaram para trás um simulacro de arma de fogo e três estojos de munição calibre 9mm. Imagens das câmeras de segurança do local foram encaminhadas ao Instituto de Criminalística (Icrim) onde serão avaliadas e devem ajudar a elucidar mais detalhes sobre o crime. A polícia ainda apura qual arma foi utilizada no crime.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS