FUTEBOL

Mesmo com derrota, Moto Club é campeão maranhense

O placar de 2 a 1 foi o suficiente para o time rubro-negro faturar a taça, já que contava com a vantagem do jogo de ida

Reprodução

Faltou fôlego para os torcedores do Moto Club que assistiram a final do Campeonato Maranhense na noite deste domingo, 08. O clube garantiu a vitória do campeonato, mesmo perdendo para o Imperatriz, com um placar de 2 a 1 na arena do Estádio Frei Epifânio, no interior do Maranhão. Essa foi a 26ª conquista em sua história.

Apesar da derrota, o time rubro negro conseguiu controlar bem o duelo, por já contar com a vantagem do jogo de ida, no dia 05, onde goleou o Imperatriz por 3 a 0, no Castelão, em São Luís. Com esse placar, o Moto poderia ter perdido se não tivesse emplacado o gol da vitória aos 28 minutos do segundo tempo.

O título foi uma conquista importante para o time da capital, que volta a figurar entre os lideres do Maranhão. À sombra desde 2008, foi campeão em 2016. Agora, com a segunda vitória em três anos, o Moto mostra que tem melhorado o seu desempenho, fazendo o que foi considerada a melhor campanha da primeira fase do Maranhense em 2018.

Com o resultado, o campeão maranhense garante uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro, na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste, todos em 2019. Recém-rebaixado na Série C, o Moto Club disputa a última divisão nacional em 2018 e, se não conquistar o acesso, pode ficar sem calendário no segundo semestre. Por isso o título estadual deixa uma carta na manga do técnico Marcinho Guerreiro.

O Moto Club estreia no Campeonato Brasileiro contra o Assu, no Rio Grande do Norte, no domingo, 22, enquanto o Imperatriz recebe o América-RN, na segunda-feira, 23, às 21h15.

O jogo

Rodrigo Ramos foi atingido na cabeça após se chocar de frente com o atacante Adauto. Foto: Divulgação

Na grande final do Campeonato Maranhense, sediada no Estádio Freio Epifânio, em Imperatriz, às 18h30, o Moto entrou com a vantagem de poder perder por até dois gols de diferença para ser campeão após vencer na ida por 3 a 0. No primeiro tempo, uma partida de poucas grandes oportunidades e o zero não saiu do placar. O Imperatriz mesmo com a pressão da desvantagem, também sentiu bastante dificuldade de marcar.

O lance que mais chamou atenção na primeira etapa foi o choque de Rodrigo Ramos com o atacante Adauto. O goleiro do Moto sentiu bastante a cabeça e deixou o gramado chorando e cambaleando. Justamente testando o novo guarda-redes, o Cavalo assustou em cabeçada de Matheus.

O jogo pegou fogo no segundo tempo. Logo aos dez minutos, o Imperatriz abriu o placar em cobrança de pênalti de Daniel Barros. Os donos da casa aumentaram a pressão e ampliaram aos 20 minutos em cabeçada firme de Kanu. A situação parecia tensa para o Moto com placar menos esperado de 2 a 0 para o Cavalo de Aço, mas os comandados do técnico Marcinho Guerreiro se mantiveram frios e conseguiram descontar.

Ricardo Maranhão aproveitou a oportunidade depois de bola no travessão e completou de cabeça para o fundo das redes, tranquilizando os torcedores do Papão até o apito final. Mesmo não evitando a derrota, o gol aos 28 minutos foi o suficiente para colocar a taça nas mãos do Moto. O Imperatriz foi guerreiro, fez pressão, levou perigo em cobranças de falta, mas o título ficou nas mãos do Moto Club.

Agora, a diferença de títulos dos principais times da capital é de sete conquistas a favor do Sampaio Corrêa, maior rival do Moto. Enquanto o atual campeão do Maranhense ganhou 26 vezes, a Bolívia Querida, vencedor no ano passado, tem 33 conquistas.

Leia mais

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS