Trânsito

Mais 30 dias de adaptação à faixa de ônibus

Prefeitura prorroga por mais 30 dias o prazo para fiscalização nas faixas exclusivas

Reprodução

Para garantir maior prazo de adaptação da população às mudanças feitas no trânsito da capital, a Prefeitura de São Luís prorrogou, por mais 30 dias, o prazo da fiscalização em caráter experimental nas Faixas Exclusivas do Transporte. A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes havia anunciado na última sexta-feira (10) que o novo sistema estaria funcionando em carácter definitivo.

Para muitos motoristas, não ficaram claras as regras de como funciona a faixa de ônibus, que passou a ser monitorada por câmeras, pelos quais somente poderão trafegar ônibus, ambulâncias, táxis com passageiro e viaturas das polícias e da SMTT. No caso, a conversão dos motoristas pelos corredores exclusivos só poderá ser feita por quem vai estacionar ou fazer a conversão à direita. Nesse caso, o trecho foi sinalizado com pontilhados, feitos no dia do anúncio da SMTT sobre a fiscalização definitiva.

Para o motorista Ronaldo de Castro, de 53 anos, a nova regra não ficou muito clara, pois ficou a dúvida de quando atravessar, caso as Faixas Exclusivas do Transporte estejam congestionadas pelos transportes permitidos. “Se eu tenho que virar à esquerda somente nos pontilhados, como seria se a faixa ficar congestionada? Eu teria que ficar parado, esperando na minha faixa? Causando também congestionamento nela?”, indaga.

Outra dúvida é quanto tempo o motorista deve permanecer na Faixa e como essa fiscalização vai identificar se um táxi ou uma ambulância estará ou não com passageiros e pacientes, respectivamente. “Ainda não entendi por quanto tempo posso permanecer nesta faixa, mesmo se irei dobrar em alguma via e precisar entrar nesta faixa, sem passageiros. E no caso dos táxis, como a fiscalização vai saber se estou ou não com passageiro”, indaga o taxista Alberto Couto.

Fotossensores continuam funcionando

A fiscalização através dos fotossensores, já habitual aos condutores, continua a valer. Em funcionamento desde a última sexta-feira, a fiscalização através desses equipamentos confere maior segurança ao trânsito da capital, tendo em vista que controlam o limite de velocidade em trechos estratégicos, a fim de evitar acidentes e reduzir os índices de mortes no trânsito. Equipamentos como barreiras eletrônicas, para redução de velocidade em trechos específicos, também estão integrados ao sistema de monitoramento do trânsito da capital.

Corredores exclusivos

Com a decisão, a prefeitura irá intensificar as campanhas educativas para ampliar o alcance das informações. O objetivo das faixas exclusivas, que integram essa nova configuração do trânsito da capital, é promover maior fluidez ao trânsito, beneficiando especialmente os usuários do transporte coletivo.

Com as faixas exclusivas, implantadas nas avenidas Colares Moreira e Castelo Branco e nas ruas Cajazeiras – pelos quais somente podem trafegar ônibus, ambulâncias, táxis com passageiro e viaturas das polícias e da SMTT- os veículos podem circular com maior eficiência e com a vantagem de um menor tempo de viagem.

O secretário municipal de Trânsito e Transportes, Canindé Barros, ressaltou a necessidade de prorrogar o prazo para o início da fiscalização. “A prorrogação é para que a população possa compreender melhor como funcionará essa fiscalização nas faixas exclusivas. Nesse período, estamos à disposição da população para esclarecer quaisquer dúvidas em relação a essa fiscalização. Nosso objetivo é conscientizar as pessoas acerca do uso das faixas exclusivas, que permitem um ganho na velocidade do transporte coletivo”, explicou o secretário.
Desde o início da fiscalização, no último dia 10, nenhuma multa foi registrada pelo sistema. De acordo com o titular da SMTT, a ausência de registro prova que os condutores têm compreendido como funciona a faixa. “Apesar das dúvidas, a população tem utilizado as vias conforme a proposta, respeitando as leis e contribuindo para o melhor funcionamento do fluxo de veículos nas principais avenidas”, disse Canindé.

 

MOSTRAR MAIS