GREVE DOS CAMINHONEIROS

Ceasa-MA declara desabastecimento geral no oitavo dia de protestos

Segundo a Cooperativa, a quantidade de mercadoria disponível é crítica. A situação já afeta também uma das maiores redes de supermercado do estado.

Foto: Honório Moreira

Desde a última terça-feira, 22, a Cooperativa dos Hortifrutigranjeiros do Maranhão (Ceasa-MA) não recebe abastecimento de frutas e legumes. A cooperativa declarou nesta segunda-feira, 28, desabastecimento geral.

Segundo o presidente da Cooperativa, Milton Gadelha, a mercadoria que tem chegado é muito pouca e não suficiente para o alto consumo. “O que entrou hoje foi uma carrada de banana e laranja, porque são itens que vêm do Pará, por meio de Ferry Boat“, afirma o presidente.

Legumes e verduras em geral disponíveis são a ponta do estoque. Ainda de acordo com Gadelha, “Tem muita carga presa nas estradas, aí o que chegar também não vai estar adequado pro consumo. Por exemplo, a banana que chegou foi bem madura e a laranja, murcha. O problema maior é que o produtores não querem recarregar com medo de perder novas cargas“, disse.

A situação já afeta também uma das maiores redes de supermercado do Maranhão, o Grupo Mateus.

“Já há um problema de abastecimento na padaria, estamos com produção interna reduzida. Temos pão francês, mas falta pão de forma. Já não há uma variedade de legumes e verduras e estimamos que, até o início da tarde, esse estoque diminua“, informou a assessoria do grupo atacadista e varejista.

Para driblar a crise, o Grupo Mateus tem realizado rateio das mercadorias, para evitar que algumas lojas fiquem desabastecidas. “Temos um CD [Centro de Distribuição] com mercadoria, mas não temos como distribuir. Enquanto o problema dos combustíveis não é solucionado, estamos trabalhando para não deixar as lojas desfalcadas, estamos pulverizando mercadoria de uma pra outra”, completa o grupo.

Entenda

A greve dos caminhoneiros chega hoje, 28, ao oitavo dia, e apesar do prévio acordo firmado na última semana entre lideranças da categoria e o governo federal, os manifestantes permanecem em reivindicação. No Maranhão, foram 18 pontos de bloqueio nas rodovias federais que cortam o estado, por onde há apenas a livre circulação de veículos de passeio. Caminhões e veículos de carga ficam barrados.

Segundo o último boletim divulgado nesta manhã pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) este número caiu para 16. Na última sexta-feira, 25, o presidente Michel Temer autorizou o uso das forças armadas para desobstrução de vias públicas federais.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS