MÉRITO

Policiais recebem condecoração após ato heroico

Mesmo não estando fardados, os policiais enfrentaram a lama e conseguiram resgatar o bebê jogado da Ponte do São Francisco. Nesta manhã, receberam Medalha do Mérito Operacional

Foto: Petronilio Ferreira

Um ato heroico, em situação de crise. Assim começou a tarde do último domingo, 19, para os soldados Herbert e Pestana. Ambos voltavam de um circuito de vôlei, pelas proximidades da ponte do São Francisco, quando se depararam com o trágico ocorrido. Um bebê de sete meses de idade havia acabado de ser arremessado de altura de 20 metros, pela própria mãe.

Mesmo não estando fardados, os policiais enfrentaram a lama e conseguiram resgatar o bebê ainda com vida. Devido ao resgate, considerado heroico pela população, os dois policiais receberam nesta manhã, 19, a Medalha do Mérito Operacional.

“Essa medalha é dada aos policiais militares que, estando ou não em serviço, tenham atitudes que transcendem a nossa rotina”, explicou o Comandante Geral da PM, coronel Federico Pereira. Para ele, o fato da criança ter sido resgatada com vida é um fator divino. “É a presença de Deus na vida desses policiais, na vida dessa criança”, disse o coronel.

Para o soldado Pestana, o sentimento agora é de dever cumprido. “Salvar uma vida de uma criança da maneira que aconteceu é uma caso atípico. Estávamos no momento certo, na hora certa”, declarou.

“A princípio, não consegui visualizar a criança. Mas depois me mostraram o ponto exato de onde a criança estava. Quando eu a observei, pensei que estava morta. Quando Pestana alcançou a criança, ela chorou”, lembra o soldado Herbert. Segundo o policial, é um milagre de Deus a criança ter sobrevivido. “Pela altura que a criança estava, não tem explicação. Ali foi um milagre”, completou.

O trágico ocorrido 

Momento em que a criança foi resgatada. (Foto: Reprodução)

Em entrevista realizada em emissora afiliada ao SBT, poucas horas após crime, a mãe da criança afirmou que não tinha intenção de jogar a criança. “Eu sou doente”, dizia à repórter. Essa informação foi confirmada pelo capitão Andraide nesta manhã. “A informação que tenho é que ela não tinha tomado o remédio e que não tinha a intenção de jogar a criança da ponte. Mas, no momento em que passava por ali, tomou essa atitude”, declarou o oficial.

Ao ser perguntado sobre a doença da mãe, o Capitão Andraide confirmou as declarações. “A família alega que ela sofre de depressão, e no dia não havia tomado remédio”, confirmou o oficial.

Estado de saúde da criança

Criança do sexo masculino em atendimento hospitalar (Foto: Reprodução)

A criança passa bem e está internada no anexo da ala pediátrica do Hospital Djalma Marques (Socorrão I). Segundo o último boletim médico, ela continua em observação, à espera de novos exames que possam avaliar novamente o quadro de saúde. Após o acidente, a criança passou por diversos exames que não apontaram nenhuma fratura grave, apenas escoriações nas costas.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS