SAÚDE

Jovens maranhenses não estão se alimentando bem

Segundo pesquisa, 44% dos adolescentes acompanhados no SUS no Maranhão consomem produtos industrializados

Reprodução

Os adolescentes do Maranhão, acompanhados pela atenção básica do SUS, estão se alimentando mal. Dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN), apontaram que, em 2017, 44% deles consumiram produtos industrializados regularmente, como macarrão instantâneo, salgadinho de pacote ou biscoito salgado.

Além disso, 31% desses jovens ingeriram hambúrguer e/ou embutidos; e 43% biscoitos recheados, doces ou guloseimas. Os números foram apresentados na terça-feira, 16, em alusão ao Dia Mundial da Alimentação.

Para o coordenador-substituto de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Eduardo Nilson, os jovens precisam se atentar mais à alimentação adequada. “Dados revelam que adolescentes com obesidade aos 19 anos têm 89% de chance de ser obeso aos 35 anos, por isso é necessário investir na promoção de uma alimentação adequada e saudável, especialmente na infância e na adolescência, tendo em vista a relação de práticas alimentares inadequadas com o aumento da obesidade na população.”

Quando se observa por sexo, os percentuais mostram que o consumo de industrializados, fast foods e alimentos doces recheados/guloseimas não se diferenciam muito, sendo um pouco maior nos meninos do Maranhão. O primeiro grupo de alimento, por exemplo, é consumido por 41% delas, enquanto os adolescentes representam 44%. O consumo de alimentos do segundo grupo de alimentos é de 56% dos jovens do sexo masculino e 45% do feminino. Já os recheados, são preferência de 47% deles e 45% delas.

Os maus hábitos à mesa têm refletido na saúde e no excesso de peso dos adolescentes, no Brasil. Números da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE) trouxeram que 7,8% dos adolescentes das escolas entre 13 e 17 anos estão obesos, sendo maior entre os meninos (8,3%) do que nas meninas (7,3%). O Sisvan revela que 8,2% dos adolescentes (10 a 19 anos) atendidos na Atenção Básica em 2017 são obesos.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS