CRIME DE AMEAÇA

Márcio Jerry pede apuração de racismo contra nordestinos na fala de Bolsonaro

Presidente deu um comando ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, sem perceber que o áudio estava disponível aos veículos.

Foto: Reprodução

O vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA) vai pedir à Procuradoria-Geral da República (PGR) que apure os crimes de ameaça na fala do presidente Jair Bolsonaro (PSL) divulgada na sexta-feira (19).

Antes de iniciar uma coletiva de imprensa que reunia jornalistas de 12 veículos nacionais e internacionais, o presidente dá um comando ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, sem perceber que o áudio estava disponível aos veículos. Mesmo com ruído, é possível ouvir a expressão “governadores de Paraíba” e, em seguida, afirma que “o pior é esse do Maranhão”. Depois, de maneira clara, diz: “Não tem que ter nada para esse cara”.

“Representarei à PGR para apurar cometimento de crime comum, neste caso crimes de ameaça, contra a honra e racismo (“paraíbas”). Irei analisar também a existência de crime de responsabilidade”, afirmou o parlamentar. 

Aliado do Governo maranhense, Jerry afirmou, ainda, que a declaração mostra o desrespeito do presidente pela democracia. “Presidente Jair Bolsonaro parte para agressões e ameaças aos governadores do Maranhão, Flávio Dino, e da Paraíba, João Azevêdo. Agride dois Estados, revela uma vez mais sua arrogância. Agride de novo a democracia, se mostrando totalmente despreparado para o exercício da Presidência”, completou

Reações
Os nove governadores do Nordeste assinaram, na noite de ontem, uma carta criticando o comportamento do presidente. No documento, o grupo diz ter recebido, com espanto, a manifestação do presidente e que esperam respeito ao pacto federativo, onde é exigido que os governos mantenham diálogos e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas.

Parlamentares que compõem a Bancada Maranhense no Congresso também publicaram um manifesto, no qual prestam solidariedade ao Governador Flávio Dino e afirmam que “não é aceitável na democracia que um Presidente da República determine a um Ministro de Estado perseguição a um ente federado por questões políticas”.

Confira a nota da Bancada Maranhense

Os deputados e senadores que compões a Bancada Maranhense no Congresso Nacional vêm a público lamentar as declarações do presidente da República, Jair Bolsonaro, em relação ao estado do Maranhão e ao seu governador, Flávio Dino.

Não é aceitável, na democracia, que um Presidente da República determine a um Ministro de Estado perseguição a um ente federado e, por consequência ao seu povo, por questões políticas. 

Esperamos do Exmo. Sr. Presidente uma atitude de respeito aos brasileiros e brasileiras que residem no Maranhão.

Toda nossa solidariedade ao Governador Flávio Dino, que realiza um trabalho por todos reconhecido, especialmente pelo querido povo maranhense que também temos a honra de representar.

São Luís, 19 de julho de 2019

Weverton Rocha 
Senador ( PDT)

Eliziane Gama
(Senadora Cidadania)

Juscelino Filho 
(Deputado Federal – DEM – Coordenador da Bancada Estadual MA)

Cléber Verde
(Deputado Federal – PRB)

Gastão Vieira
(Deputado Federal – PROS)

André Fufuca
(Deputado Federal – PP)

Zé Carlos 
(Deputado Federal – PT)

Bira do Pindaré
(Deputado Federal – PSB)

Gil Cutrim
(Deputado Federal – PDT)

Marreca Filho
(Deputado Federal – Patriotas)

Márcio Jerry
(Deputado Federal – PCdoB)

Júnior Lourenço 
(Deputado Federal – PL)

Pedro Lucas Fernandes
(Deputado Federal – PTB)

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias