NATAL

Luzes de natal versus Consumo de energia

A decoração de Natal pode se tonar uma verdadeira vilã quando se trata do custo da energia elétrica.

Reprodução

Dezembro chegou. A temporada natalina se aproxima. As sacadas, as varandas e os terraços das residências pela cidade ganham novas decorações, simbolizando a chegada de um dos períodos mais singulares do ano. Árvores de Natal iluminadas por pisca-piscas são itens quase indispensáveis nas casas dos maranhenses.
Mas o que parece ser um chamativo artigo natalino pode se tornar um verdadeiro vilão. Os famosos pisca-piscas que deixam o ambiente colorido e cheio de vida consomem mais energia do que se imagina. E esse é o motivo de muitos consumidores pensarem duas vezes antes de adquirir esse produto.
O estudante Maxwell Abreu diz que, este ano, sua casa não vai contar com decoração natalina. Segundo ele, a instalação desses itens consome muita energia, o que demanda um valor maior na conta de energia.
“Por conta do consumo de energia, que aumentou. As despesas da casa já estão muito altas, sem as decorações. Além disso, é um valor que está fora do nosso orçamento normal e não compensa esse aumento sendo que vai ser usado somente por um mês”, observa.

Baixa nas vendas

Em um dos principais centros comerciais da capital, os vendedores já percebem uma queda nas vendas de itens natalinos. Em entrevista a O Imparcial, o vendedor Claudionor Silva de Sousa, que trabalha em uma loja de variedades na Rua Grande, revela que, em outros anos, a procura foi bem maior.
“Este ano, as vendas estão em baixa. Por exemplo, árvores de Natal têm saído, mas os pisca-piscas estão em baixa. Esses produtos saem mais pelo atacado, para prefeituras e órgãos que fazem decoração de Natal. No varejo, as vendas estão bem menores que no ano passado”, revela.
A queda nas vendas pode ser explicada no consumo considerável de energia demandada pelos pisca-piscas. Nossa equipe realizou uma pesquisa de preços e consumo entre dois diferentes tipos de lâmpadas natalinas decorativas e notou que, embora os preços dos dois produtos sejam similares, o consumo de energia de uma pode ser consideravelmente maior que da outra.

Consumidor consciente

O estudante universitário Luís Furtado diz que, em sua casa, o item natalino é ligado às 7 horas da noite e só vai ser desligado quando o dia amanhece, por volta das 6 horas da manhã. “A gente tem pisca-pisca em casa. Ele é ligado mais ou menos umas 7h da noite e fica aceso até de manhã, quando a gente começa a acordar”, conta.
A prática pode pesar bastante na conta de luz, no final do mês. Pensando nisso, o analista financeiro Leonardo Sampaio usa o pisca-pisca de uma forma mais racional no condomínio onde mora.
“Eu chego em casa e ligo por volta das 7 horas da noite, deixo funcionando até as 10 horas da noite, que é o horário em que vou dormir. Muitos no meu condomínio usam o pisca até o fim da madrugada, mas eu não posso me dar ao luxo. A conta, desde antes do período de Natal, tem vindo bastante alta, por isso, eu economizo sempre que posso.

Consumo em números

O cálculo de consumo pode ser feito da seguinte forma: caso você compre um pisca-pisca que consuma 450 Watts de Potência (divida o valor por 1.000 para saber em kW= 0,45kW) ou 0,45kW, e ele ficar ligado durante uma hora, você terá um consumo de 0,45kWh. O valor da potência pode ser consultado na embalagem do produto.
Assim, se durante 30 dias do mês ele ficar ligado durante seis horas, você terá um consumo de 0,45kW x 30 dias x 6 horas = 81kWh. Se ele ficar ligado pelos mesmos 30 dias, 12 horas por dia, terá um consumo de 162kWh.
Com posse do valor total de consumo, você deve multiplicar esse número pela tarifa vigente imposta pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que varia dependendo da região. No Maranhão, a tarifa em uma residência normal é de R$ 0,33, aproximadamente. Os dois pisca-piscas comparados pela nossa reportagem consomem 0,45kWh e 0,35kWh.

MOSTRAR MAIS