Caema

Após protestos, Coroado recebe intervenções na rede de esgoto

De acordo com a Caema, estão sendo implantados 1,2 quilômetros de rede coletora que vai levar os efluentes até a um interceptor principal, instalado ao longo da Avenida dos Africanos.

Na semana em que moradores do Coroado e Parque Timbira bloquearam a Avenida dos Africanos para reivindicar melhores condições na rede de saneamento básico, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) divulgou que está intervindo nos bairros para implantação de uma rede tronco que amplia a coleta do esgoto.

De acordo com a Caema, ao todo, estão sendo implantados 1,2 quilômetros de rede coletora que vai levar os efluentes até a um interceptor principal, instalado ao longo da Avenida dos Africanos. Em entrevista concedida a O Imparcial, o presidente da companhia Carlos Rogério Araújo disse que São Luís já tem 70% de esgoto tratado.

Obra no Coroado

Segundo o engenheiro Felipe Fernandes, da Gerência de Projetos e Obras Especiais da CAEMA, a obra atualmente está concentrada nas ruas Dr. Carlos Macieira e da Felicidade. “Nessas proximidades, o foco de atuação recai na interceptação de volumes de esgoto destinados para uma grande galeria conhecida como Canal da Malária, que erroneamente absorve a maior parte do esgoto das casas e é um grande problema para a saúde dos moradores”, explica Felipe Fernandes.

Fernandes enfatiza que, além de interceptar o esgoto, o projeto vai destinar corretamente todo o volume de efluentes coletado na área por meio de uma linha estruturada em tubos de PVC de alta resistência, de 300 cm de diâmetro. É por onde o esgoto seguirá até a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Bacanga.

Outras ações estão sendo desenvolvidas em trechos e em vias públicas paralelas ao Canal da Malária. Ronnie Celestino da Silva, que fiscaliza a obra, esclarece que são pequenas correções, desentupimentos ou acertos de curso para que se cumpra a implantação da rede, além de obras paralelas que servirão de apoio para instalar a rede interna do bairro.

Entre essas obras, está a construção da elevatória 1.2, que fará parte do processo de recalque do esgoto. Ronnie também explica o planejamento para execução da obra no bairro.

Segundo ele, a viabilidade técnica apontou diretrizes para que se interrompa esse fluxo e todo o volume seja canalizado de montante (limite com o bairro do João Paulo) até chegar a jusante (a extrema com a Avenida dos Africanos), onde a linha tronco se interligará ao interceptor principal, que vem sendo construído pela CAEMA às margens da Africanos.

Tratamento

Segundo a Caema, o interceptor que receberá os efluentes do Coroado, por meio da rede tronco, já está em fase de conclusão. De uma extensão total de 2 quilômetros, já foram executados 1,6 quilômetros de rede interceptora. Os 400 metros restantes seguem em ritmo avançado.

Quando concluído e em operação, será um dos braços utilizados para transporte de esgoto in natura a ser tratado na ETE Bacanga, que hoje opera juntamente com outras duas estações de Tratamento: a ETE Jaracaty e a ETE Vinhais.

Em breve, as três somarão seus percentuais de tratamento ao trabalho que será realizado na ETE Anil, ainda em construção. A estação irá tratar cerca de 100 litros de esgoto por segundo, ajudando a atingir a meta de 70% de esgoto tratado na capital.

Protestos

Os dois sentidos da Avenida dos Africanos foram bloqueados por moradores do Coroado e Parque Timbira na manhã desta segunda-feira, dia 2. Eles reivindicaram saneamento básico de qualidade na região, ateando fogo em pneus e outros objetos.