São Luís

Prefeitura usa teatro de bonecos para alertar crianças contra trabalho infantil

As crianças foram sensibilizadas a respeito do combate ao trabalho infantil com a apresentação do teatro de bonecos, que também retratou a diversidade cultural maranhense.

Reprodução

Muita alegria e empolgação na apresentação do espetáculo infantil “No Sotaque do Amor, #ChegaDeTrabalhoInfantil”, promovido pela Prefeitura de São Luís por meio da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) para cerca de 100 crianças e adolescentes atendidos pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). As crianças foram sensibilizadas a respeito do combate ao trabalho infantil com a apresentação do teatro de bonecos, que também retratou a diversidade cultural maranhense. O evento foi organizado pelo Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), no Circo Escola da Cidade Operária, equipamento social do município.

A secretária da Semcas, Andréia Lauande, explica que as atividades visam o fortalecimento de vínculos, formação da cidadania e convívio familiar e comunitário. “As atividades nos equipamentos sociais são de caráter preventivo, que promovem a troca de experiências culturais e vivências, visando desenvolver o sentimento de pertencimento e identidade, por meio de atividades socioeducativas”, explica Andréia Lauande.

Para a pequena Sarah Beatriz Alves, 10 anos, atendida pelo Centro de Referência da Assistência Social (Cras) João de Deus, além da diversão, o momento trouxe a conscientização do lugar da criança na sociedade. “Eu adorei, estava ansiosa para ver o espetáculo e estou me divertindo muito, além disso, é uma oportunidade para nós, crianças, aprendermos sobre os nossos direitos, que temos de estudar, brincar e não trabalhar”, disse a menina.

AÇÕES

O espetáculo apresentado no Circo Escola faz parte de um conjunto de ações que priorizam a proteção de crianças e adolescentes, desenvolvidos pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Além de realizar ações de caráter preventivo e desenvolvimento das potencialidades, o Serviço oferta mensalmente a mais de 5.510 mil usuários, uma média de 1.200 atividades recreativas, culturais, esportivas e de acesso ao mundo do trabalho. A programação integra ainda oficinas temáticas de música, dança, teatro, além de palestras sobre consumo de drogas, exploração sexual de crianças e adolescentes, violência doméstica e meio ambiente.

FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS

Em São Luís, o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) é desenvolvido nos equipamentos sociais da Semcas, com atividades no contraturno escolar nas 20 áreas referenciadas de Cras, Casa do Bairro, Centro de Convivência da Vila Luizão e Circo Escola e compreende atendimento a quatro grupos por faixa etária: crianças até 6 anos; crianças de 6 a 15 anos; adolescentes de 15 a 17 anos; e idosos.

O serviço busca ainda fortalecer as relações familiares e comunitárias, promovendo a integração e a troca de experiências entre os participantes; possuindo caráter preventivo, pautado na defesa e afirmação dos direitos, como forma de enfrentamento para a vulnerabilidade social. As atividades são desenvolvidas de forma direta por meio dos Cras e demais equipamentos sociais e indireta por de cerca de 50 instituições conveniadas com a Semcas, que atuam nas comunidades.

De acordo com a adolescente Dandara Silva, 16 anos, atendida pelo Centro de Convivência da Vila Luizão, as atividades realizadas no equipamento social são de extrema importância para sua formação como cidadã. “São tantas coisas que aprendemos aqui, temos várias atividades como música, dança teatro, tudo muito construtivo e divertido. Além disso, temos acesso a palestras, oficinas que nos despertam a convivência comunitária e sentimento de pertencimento dentro da sociedade”, disse a menina.

Para o mestre de obras Clemente Boaes, pai de duas crianças atendidas pelo SCFV na Vila Luizão, o sentimento é tranquilidade por ter um espaço de atividades para os filhos. “Para nós que vivemos em uma comunidade tão marcada pela violência, é um sossego ter onde deixar as crianças, sabendo que elas estão sendo bem atendidas com atividades que contribuirão para o seu futuro. Meus filhos ainda são pequenos, mas vão crescer tendo oportunidades, adquirindo conhecimentos que nunca tive a oportunidade de ter e principalmente ficando longe das ruas e da violência” ressaltou o mestre de obras.

SAIBA MAIS
Como acessar o serviço
Podem participar do SCFV, crianças, adolescentes e idosos em situação de vulnerabilidade social e violação de direitos. Para ter acesso ao Serviço, as famílias devem procurar o Centro de Referência da Assistência Social mais próximos de sua residência e realizar o cadastro.