Segurança

Número de homicídios cai 28% em Imperatriz

Relação entre os cinco primeiros meses de 2017 com o mesmo período em 2016 registrou 29 mortes violentas a menos. A meta é reduzir em 50% até o fim do primeiro semestre

Reprodução

Mais segurança e menos violência com a redução gradativa dos índices de mortes violentas letais intencionais na Região Tocantina de Imperatriz. Neste conjunto estão incluídos os homicídios e os latrocínios – roubo seguido de morte. O município esteve 21 dias sem qualquer registro deste tipo de criminalidade, no período de 26 de maio a 15 de junho. São 29 mortes violentas a menos, em relação ao ano passado. O dado positivo resulta das operações intensificadas e investimentos do Governo do Estado nas ações de segurança pública na região.

No comparativo dos cinco primeiros meses deste ano, em relação ao ano passado, a redução é de 28%. De janeiro a maio de 2016 foram registradas 73 ocorrências deste conjunto de crimes; este ano, no mesmo período, o número de casos caiu para 52. E considerando janeiro até 16 de junho deste ano com o anterior, a diminuição é ainda maior: 35,37% menos mortes violentas em Imperatriz. A meta da Segurança é reduzir em 50% o número de ocorrências ao final deste primeiro semestre.

“É um direcionamento do governador Flávio Dino, no âmbito da Segurança Pública, a promoção de ações que trazem de volta aos maranhenses mais segurança e mostra a seriedade e compromisso da gestão com esse setor”, pontuou o secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Jefferson Portela. O delegado geral de Polícia Civil, Lawrence Melo, atribui os resultados às operações realizadas pela Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), instituição criada na gestão Flávio Dino, que especializou a investigação desses casos.

“Dessa forma, foi possível reduzir os casos de mortes violentas na Região Metropolitana de São Luís e identificar outras áreas com índices preocupantes, a exemplo de Imperatriz. Assim, replicamos as mesmas ações, diminuindo os casos índices e mantendo uma redução gradativa. Mais um recorde da gestão Flávio Dino e do secretário Jefferson Portela que foca na universalização e especialização das investigações de homicídios no Estado”, explica Lawrence Melo.

O delegado da Regional de Imperatriz, Eduardo Galvão, destaca a importância dos índices de queda nas mortes violentas intencionais, considerando o cenário enfrentado pela Segurança no ano anterior. Segundo o delegado, os números apontavam praticamente um caso de homicídio a cada dia alternado. “Esta redução é extremamente significativa, pois atenua a média negativa do ano anterior. Cada dia que passa sem homicídios é resultado favorável à Segurança Pública e que reflete também em mais segurança para o cidadão”, avalia o delegado.

A redução também é fruto do trabalho integrado das polícias, êxito nas ações da SHPP e nas inúmeras operações da SSP-MA na região, aponta o titular da SHPP, delegado Leonardo Diniz. “Com esse planejamento de trabalho e a força tarefa policial, os casos na região têm sido elucidados a curto prazo. A Segurança Pública e todo o aparato do Estado nesta área tem sido colocados à disposição, sempre que necessário e garantido êxito nas operações”, reiterou o superintendente de Homicídios.

Investimentos

Desde o primeiro ano da gestão Flávio Dino, foram colocadas em prática ações e operações de combate direto a esta criminalidade, com o objetivo de frear o avanço dos casos. A criação da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), a aquisição da Delegacia Móvel para apurar estes casos e investimentos em laboratórios com tecnologia de ponta, aumento do efetivo e ações de valorização do policial.

Somado a estes, a especialização das investigações, aumento do efetivo especificamente para tratar destes casos e implantação da Delegacia de Homicídios que atua 24 horas apurando os casos in loco, no momento em que ocorrem. “São medidas de forte impacto que somaram para os resultados positivos alcançados pela polícia de Imperatriz. Esperamos manter esta linha de redução diminuindo ainda mais esses registros”, enfatizou o delegado Galvão.