CORONAVÍRUS

No Maranhão

1006
43313
15629
1095
VISCERAL

Maria Callas uma mulher além das notas musicais

Espetáculo Master Class que fica em cartaz em São Luís até este domingo (11) revela a vida e obra da maior soprano de todos os tempos, interpretada pela atriz Christiane Torloni

Reprodução

Uma mulher forte e ao mesmo tempo determinada, que buscou por meio da música a perfeição para aquilo que mais queria fazer: cantar ópera. Foi assim que María Kekilía Sofía Kalogerópulu, mais conhecida como Maria Callas, encantou plateias do mundo inteiro.

Leia também: Maria Callas por Christiane Torloni no Arthur Azevedo

Sua vida marcada por preconceito, fama, casamentos, escândalos e desavenças com suas “rivais” que estamparam as revistas e jornais da época em que era conhecida como La Divina, ganhou uma adaptação no espetáculo Master Class, interpretado pela atriz Christiane Torloni. A montagem está em cartaz até este domingo (11), no Teatro Arthur Azevedo, na Rua do Sol, Centro de São Luís.

Em uma interpretação visceral, Christiane Torloni dá vida a Maria Callas relembrando no palco o período que o mais famoso soprano do século XX saiu de cena dos palcos, e partiu para  ministrar aulas em um conservatório, a pretensos cantores que sonhavam conquistar tal qual ela, a fama, dinheiro e reconhecimento por meio do canto lírico.

Em Master Class, Christiane Torloni revela para o público a alma de uma Maria Callas que mesmo durante a guerra fazia questão de estudar canto mesmo com a invasão dos alemães em Atenas, passando pelo preconceito de fazer pequenos papéis por ser gorda até a conquista de seu espaço após o seu casamento com um homem rico e trinta anos mais velho do que ela.     

Callas perpetuou-se em papéis como Medeia, Norma, Tosca, Violetta, Lucia, Gioconda, Amina, entre outros. senhora de raros dotes vocais e interpretativos, revolucionou a ópera, trazendo-a novamente às origens. Para Maria Callas, a expressão vocal era primordial, em detrimento dos exageros vocais injustificados – tudo na ópera tem que fazer sentido, visando a dar ao público algo que o mova, algo credível.

Toda essa exigência da soprano com seus alunos é contada de forma genial, entrecortada por passagens de uma vida conturbada, que revelam seus dramas ao lado do marido e empresário, G. B. Meneghini, homem muito mais velho do que ela.

O texto mostra ainda a tórrida relação de Callas com o milionário grego Aristoteles Onassis que lhe chamava de “canarinho” entre outros absurdos públicos que rendeu variado material ofensivo para tablóides sensacionalistas; além do drama de ter perdido seu único filho em um parto prematuro onde o bebê não resistiu e o fim do casamento com Aristoteles Onassis que se desfez, quando ele a abandonou para casar-se com Jacqueline Lee Bouvier Keneddy, viúva do presidente Keneddy. A separação abalou profundamente Maria Callas, já que ainda gostava dele, e decidiu não mais casar-se.

Quem for assistir Master Class vai apreciar muito mais do que a obra eternizada por Callas. O público terá a oportunidade de receber conselhos da soprano que podem ser aplicados no dia a dia, principalmente para quem está vivendo um desafio profissional, além de outros, que servem para evitar futuros aborrecimentos na vida particular.  

Vale aqui ressaltar que apesar de toda fama, dinheiro, reconhecimento e glamour, Maria Callas terminou a vidasozinha em Paris, falecendo repentinamente de um infarto em seu apartamento no dia 16 de setembro de 1977 deixando a vida terrena para imortalidade dando a certeza de que jamais existirá um outra mulher como Maria Callas.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias