Oportunidade

Cinco dicas de como empreender sem sair do emprego

Montar o próprio negócio é o objetivo de um grande número de pessoas atualmente, mas o medo de arriscar tudo é um dos impedimentos; saiba como começar sem pedir demissão

Reprodução

Empreender está fazendo cada vez mais parte dos projetos de vida das pessoas. Diferente do que parece, empreender não é necessariamente abrir um negócio. É, antes de tudo, enxergar o propósito daquilo que você faz, como faz e o quanto isso gera de valor para a sociedade, seja onde estiver.

Com essa mentalidade, você percebe que não está num emprego para salvar sua vida, mas para ser capaz de atender as pessoas. E essa mudança de chave gera, por consequência, a vontade de começar um negócio próprio para expandir essa capacidade.

Mas é nesse momento que a galera pira, imaginando que abrir um negócio é largar tudo, vender o carro, captar uma grana, alugar uma sala e começar a trabalhar. Quando, na verdade, você precisa muito menos do que tudo isso.

Se você tem o desejo de abrir um negócio, mas acha que seu emprego formal ou outra atividade qualquer é um fator limitante, aqui vão cinco dicas de ouro sobre como nutrir a dupla jornada, até sentir confiança de apostar todas as fichas no seu próprio empreendimento.

1) Tenha controle financeiro

Essa é, com certeza, a primeira dica: guarde dinheiro. As pessoas estão acostumadas a terceirizar para o chefe a responsabilidade de colocar o dinheiro na conta todo final de mês. Quando, na verdade, é você quem precisa assumir o controle pela sua gestão financeira.

Empreender é dar um passo além, ou seja, cuidar de você e de um negócio. E é ilusão imaginar que esse negócio vai te dar um retorno rápido, no tempo de você pagar seus boletos no mês seguinte. É furada!

Quanto mais organizado financeiramente você estiver, mais liberdade você vai ter para experimentar e menos pressão você vai ter para acertar rápido e grande. E, assim, desanimar se o negócio gera pouca grana é menos provável, porque a comparação não será com a sua necessidade pessoal pelo dinheiro, mas com a natureza do empreendimento em si.

2) Estabeleça controle de agenda

Ter consciência da sua agenda e de seus compromissos reais é fundamental para quem deseja empreender sem sair do emprego, porque encarar uma dupla jornada requer disposição, foco e compromisso com ambos os lados.

Não dá para se animar demais, misturar tudo e acabar fazendo tarefas do negócio no horário do trabalho ou vice e versa. A única coisa que você vai conseguir é deixar ambos na mão e ainda correr o risco de ser demitido do emprego, o que nesse momento não seria a melhor opção.

Quando você combina o controle da agenda com o controle financeiro, você simplesmente enxerga todas as possibilidades da sua vida e começa a ter liberdade para negociar trabalhar menos tempo no seu trabalho formal.

3) Teste a sua ideia

Antes de sair já fazendo planos para abrir um startup, a melhor coisa que você pode fazer é ver se sua ideia é viável. E como se faz isso? Vendendo!  Você testa a intenção da pessoa em comprar o seu produto, ou seja, oferece o que você tem (ou o que poderia ter), negocia o preço, dá um prazo para entrega e pronto.

É muito comum: você não precisa ter para vender, basta que sua oferta contemple aquilo que você pode fazer. E, para isso, é preciso saber das suas capacidades, saber que tipo de negócio você quer e começar uma caminhada para dentro e para frente, de aprender fazendo.

4) Comece a custo zero

Como falei anteriormente, você não precisa começar grande, alugando sala etc. etc. A ideia é forçar a barra para começar o empreendimento com custo zero. A saída pode ser iniciar na própria casa, que exige menos recursos. Poupar gastos nesta fase do seu projeto faz toda a diferença. Sua maior preocupação deve ser fazer o negócio girar com experimentação, com venda… Começa pequeno, que a coisa vai desenrolando gradualmente.

5) Se permita um tempo livre

Sei bem como é encarar uma jornada dupla – com família então, se torna tripla. Mas, como sempre digo, a vida não é fácil e ninguém disse que seria. No início, o negócio realmente vai exigir sua energia e sua dedicação, para depois você colher os frutos com mais tranquilidade.

Mas, nem por isso, você precisa ser engolido por todas essas responsabilidades. O tempo livre é fundamental para você oxigenar a mente, não sobrecarregá-la a nem acabar comprometendo a saúde, o negócio ou o emprego. Precisa ter o seu lugar cativo no controle de agenda.

E qual é a hora de escolher?

Para sair do emprego formal e se dedicar exclusivamente ao empreendimento, muitas pessoas esperam ter a confiança de que o negócio vai dar certo ou até que ele gere recurso suficiente para ser a única fonte de renda. Eu, particularmente, acho que é relativo e que está atrelado ao controle financeiro.

Se você tem uma reserva que pode colocá-lo em jogo, ou seja, que te dá oportunidade de arriscar, sua confiança já é maior. Quer ver só: Eu tenho guardado o equivalente para viver por seis meses, então eu estabeleço que se em três meses meu negócio não funcionar, eu tenho aí mais três para me reestruturar e voltar para o mercado de trabalho.

O problema em geral é que as pessoas acabam trocando seis por meia dúzia, ou seja, querem montar um negócio para ter salário. Quando, no final das contas, o objetivo de você montar um negócio deve ser para resolver problemas e gerar riqueza.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias