Operação Salve, Maria

Operação prende quatro acusados de violência doméstica

Deflagrada na manhã desta segunda-feira, 09, a Operação Salve Maria executou as prisões após uma série de denúncias. Outros dois ainda seguem foragidos e a polícia segue em diligências para localizá-los.

Reprodução

Quatro homens foram presos em uma operação deflagrada em São Luís na manhã desta segunda-feira, 09, pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especial da Mulher.

Cerca de 40 agentes da polícia civil atuaram pela Operação Salve Maria, deflagrada com o objetivo de prender agressores e acusados de representar ameaça de violência doméstica. 

Leia também: “Violência de gênero é uma pandemia silenciosa e crescente”

Foram presos Antônio Luís de Oliveira, no bairro Residencial Magnólia; Magno Cantanhede Araújo, morador do bairro da Liberdade; Ronaldo Pereira Sousa, no bairro do Anil; e Paulo Eduardo Gomes, que residia no São Raimundo. Outros dois ainda seguem foragidos e a polícia segue em diligências para localizá-los.

De acordo com a delegada Wanda Moura, da Delegacia da Mulher, a operação cumpriu quatro dos seis mandados de prisão preventiva expedidos pela justiça, após uma série de denúncias contra os acusados.”Em todos os casos as mulheres se tornaram prisioneiras em suas próprias casas, privando elas de liberdade. E esse direito a delegacia da mulher leva muito à sério”, explica.

“Todos os casos de agressão são graves que acabaram retirando o direito de uma vida livre. Recebemos diversos relatos de mulheres que estavam sendo perseguidas por seus companheiros e acabaram se afastando de suas atividades por medo, por conta disso a delegacia representou com os mandados de prisão que foram acatados pela justiça”, completa a delegada.

Os agressores foram encaminhados à delegacia, passaram por uma série de interrogatórios e serão encaminhados ao Complexo Prisional de Pedrinhas, onde ficam à disposição da justiça.

Casa da Mulher Brasileira

Para a delegada Wanda Moura, o grande problema da violência doméstica ainda é a própria mulher que prefere silenciar diante de uma agressão. “Quando a mulher não denuncia, ela se priva de trabalhar por medo, de momentos de lazer por medo. As estatísticas nos mostram que uma mulher passa, em média, cinco anos se submetendo a um relacionamento abusivo, muitas vezes por dependência econômica, afetiva, ou mesmo ameaças, ate que ela resolve denunciar”, exemplifica.

A delegada reitera que Casa da Mulher Brasileira está à disposição das vítimas de violência doméstica, oferecendo suporte 24 horas, com delegacia de plantão, Vara judicial para solicitação de medidas protetivas, Promotoria de Justiça e Defensoria Pública especializada para casos de violência contra a mulher, além de assistência social por meio do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram), que oferece suporte também à vítimas com filhos.

“Queremos estimular essas mulheres a agir. A Casa da Mulher Brasileira tem uma equipe preparada a qualificada para receber toda as orientações necessárias. Lembramos também que não apenas a vítima pode fazer a denúncia, qualquer vizinho, familiar. Esse antigo jargão de que ‘briga de marido e mulher ninguém mete a colher’ já passou”, finaliza a delegada.

Em caso de feminicídio ou violência contra a mulher denuncie. Ligue para a Central de Atendimento à Mulher, pelo número 180, ou vá à delegacia mais próxima. 

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS