CORRIDA PELA PREVIDÊNCIA

Medo de reforma aumenta procura por aposentadoria

O ambiente de incerteza gerado em torno da reforma da Previdência tem levado cada vez mais segurados a procurarem postos do INSS.

O ambiente de incerteza gerado em torno da reforma da Previdência promovida pelo governo federal tem levado cada vez mais segurados a procurarem postos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para requerer aposentadoria. De dezembro do ano passado a janeiro de 2018, a quantidade de solicitações de benefício, somente em São Luís, subiu de 4.808 para 5.919, alta de 23,11%. Segundo informações do INSS, 72% dos agendamentos de serviços nas agências de atendimento da capital são para requerimento de aposentadoria por idade rural.

São pessoas como a dona de casa Ana Célia Ribeiro, de 65 anos, que mesmo a reforma ainda não tendo sido aprovada e o governo alegando que as regras não mudarão para quem está prestes a se aposentar, os segurados têm buscado com mais frequência o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). “Eu estou tentando desde o ano passado. Tive que vir algumas vezes buscar informação e agendar atendimento. Com essas ameaças à aposentadoria, nós, que já somos tão prejudicados, temos medo de perder”, confessa.

Em São Luís, algumas agências estão com o tempo de espera estimado em até seis meses. É o caso da Agência da Previdência Social – Bom Menino, localizada Avenida Alexandre de Moura, no Centro, que esta semana estava lotada de pessoas buscando informação, esperando atendimento para requerimento de aposentadoria ou aguardando para realizar perícia médica.

Thiago Fernandes, gerente da agência Bom Menino, diz que a demanda tem crescido bastante nos últimos meses. “A procura está muito alta mesmo, e aliada à falta de servidores, aqui o agendamento está demorando até seis meses. A população está bem receosa quanto às regras, que é uma incerteza, se vai realmente ter essa mudança ou não. Então, já que a penalidade financeira pode ser grande, eles estão procurando mais”.

O gerente esclarece que a agência não aumentou a quantidade de vagas oferecidas para atendimento pelo fato da unidade não ter capacidade, mas a procura tem sido intensa. “A busca aumentou, é tanto que que não estão sendo encontradas vagas porque a agenda fecha com seis meses. A espera virtual cresce a cada dia. Hoje, se consegue vaga para junho. Se der sorte para maio”, reconhece.

O lavrador José Santos Costa diz que agendou meses antes para obter atendimento. Depois de conseguir informação, reuniu a documentação necessária para pleitear o direito à aposentadoria por idade.

Natural de São Benedito do Rio Preto, José Costa alega que mesmo estando acima da idade mínima exigida, como segurado especial na condição de agricultor familiar, a preocupação com as mudanças na Previdência Social o levou a morar em São Luís e começar a peregrinação para aposentar-se aos 72 anos. “Tive que buscar dessa forma porque as coisas estão mudando, pela atitude do presidente. Então, estou correndo atrás para ver se dá certo. Estou torcendo com a fé, que dá!”, relata esperançoso.

Para a aposentadoria por idade, o trabalhador deve ter o mínimo de 180 meses de trabalho, além da idade mínima de 65 anos (homem) ou 60 anos (mulher). Para segurados especiais como agricultores familiares, pescadores artesanais e indí- genas, a idade mínima é reduzida em cinco anos. Atualmente, quem atende aos requisitos para aposentar-se precisa agendar o pedido pelo site da Previdência Social ou pelo 135 e deve ir até uma agência para dar entrada no requerimento.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS