VIOLÊNCIA

Crimes violentos letais caem 26,58% na capital maranhense

Apesar da redução, o número de Crimes Violentos Letais Intencionais na Grande Ilha de São Luís ainda está acima do máximo considerado aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS)

Foto: Reprodução

No início do mês, o Centro de Apoio Operacional Criminal (CAOp-Crim) do Ministério Público do Maranhão divulgou relatório sobre violência na Ilha de São Luís em 2017, com destaque para os CVLIs (Crimes Violentos Letais Intencionais), que englobam homicídios dolosos, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e quaisquer outros crimes que resultem em morte.

De acordo com o relatório, houve um decréscimo de 26,58%. Pela série histórica adotada pelo CAOp-Crim, que acompanha os indicadores desde 2010, os números de 2017 ficaram próximos dos registrados em 2011, quando aconteceram 655 CVLIs na região metropolitana de São Luís.

Segundo estatística da Secretaria de Segurança Pública, os números de Homicídios Dolosos da Grande São Luís registraram 910 casos em 2014, 800 casos em 2015 e 693 em 2016. Uma variação entre 2014 e 2015 de 12,09%. Já entre 2015 e 2016, a variação foi de 13,38%.

Se formos falar de Crimes Violentos Letais Intencionais (homicídios dolosos, lesão corporal seguida de morte e latrocínio) na Grande São Luís (anual) de 2014 a 2016, tem-se 987 casos em 2014, 912 em 2015 e 742 casos em 2016, uma variação de 26,14%.

O mês com maior registro dos crimes aferidos pelo Ministério Público, em 2017, foi janeiro, com 78 ocorrências. Já os meses de julho, setembro e dezembro, com 37 CVLIs, foram os que registraram os menores índices de violência.

Apesar da redução, o número de Crimes Violentos Letais Intencionais na Grande Ilha de São Luís ainda está acima do máximo considerado aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O índice foi de 44,32 crimes por grupo de 100 mil habitantes, enquanto a organização estabelece um teto de 10 para cada 100 mil.

Para o coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal, José Cláudio Cabral Marques, os números do relatório indicam que, desde 2015, há uma tendência de queda que vem se mantendo constante. “Os números de 2017 representam um avanço expressivo na redução da criminalidade, mas, em relação aos índices apontados pela OMS, ainda é um índice acima dos níveis de suportabilidade”, observou.

Aferição

O registro dos CVLIs é uma metodologia de aferição adotada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Para aferição dos crimes, o CAOp-Crim adota como base de dados os registros do Instituto Médico Legal (IML), que são cruzados com os Boletins de Ocorrência registrados no Sistema Integrado de Gestão Operacional (Sigo) da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Além disso, o Ministério Público do Maranhão acompanha diretamente o trabalho desenvolvido nas delegacias de polícia. De acordo com a publicação O Ministério Público e o controle externo da atividade policial, editada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), 94,35% das delegacias maranhenses foram visitadas em 2016.

Homicídios

Em números comparativos de 2014 a 2017, o mês de dezembro também apontou queda em números de homicídios. Em 2014, foram 78; 2015, 74; 2016, 51; e 2017, 32. Até o momento do fechamento desta edição, foram registrados 38 homicídios. Em comparativo com janeiro de 2017, quando houve 48 crimes, a redução é de 21%.

MOSTRAR MAIS