CORONAVÍRUS

No Maranhão

1986
72021
50210
1797
EMPREENDEDORISMO DIGITAL

Pequenos negócios migram para o digital e ampliam atuação durante a pandemia

Crise causada pela Covid-19 acelerou transições em micro e pequenos empresas e tem gerado interesse por ferramentas virtuais para alavancar negócios

A pandemia do novo coronavírus fez com que diversos empreendedores migrassem para plataformas digitais. Foto: Divulgação

Muitos classificam 2020 como um ano perdido, diante da crise econômica provocada pela pandemia do século. Mas, para outros, esse é um ano de mudança em vários aspectos e, principalmente, nos negócios. Desde o fim de março, quando governos estaduais começaram a decretar a suspensão de serviços não essenciais, as pequenas empresas, em especial, têm buscado maneiras de adaptar suas atuações, dando vez ao ambiente digital. Já que não podem abrir as portas, encontram uma outra maneira de se aproximar dos clientes, por meio da internet.

Pesquisa­ nacional realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), estima que de 20% a 25% das micro e pequenas empresas fechem por causa da pandemia. 

Adaptação tecnológica

O turismo está entre os nichos mais atingidos pela crise econômica causada pela pandemia. Agências fecharam, guias de turismo estão desempregados e o sistema hoteleiro está sem previsão para reabrir, entre outros impactos negativos. Diante desse cenário, há quem tenha encontrado uma chance para se reinventar e migrar para o digital, uma forma de profissionalizar ainda mais o trabalho e captar novos clientes.

É o que está fazendo Rosalia Alvarenga, dona de uma empresa de intercâmbio e viagem de experiência que, anualmente, leva grupos para estudar inglês em Londres e para viagens de imersão cultural em países como o Egito e o Marrocos. O trabalho de divulgação e o primeiro contato que são feitos por meio de indicações e nas redes sociais, em breve, poderá ocorrer também por uma nova plataforma, ainda mais profissional e arrojada: o site que Rosalia decidiu criar.

Rosália pretende ampliar atuação da agência de intercâmbio e conquistar mais clientes com o digital

“Aproveitei esse período para investir em um site. Fizemos no Instagram e Facebook campanhas como: #quarentenadossonhos, #quarentenadagratidao e estamos atualmente com o #traveltalk, com conversas sobre viagem, onde as pessoas interagem com perguntas e curiosidades sobre destinos que operamos e nós respondemos com vídeos e posts. Escolhemos olhar a crise como uma oportunidade e desafio. No momento, não estamos viajando de avião, mas convidamos nossos clientes e amigos a viajar conosco, nos sonhos e planejamento dos próximos destinos”, explica Rosalia Alvarenga.

Sites profissionais

Assim como a agência de Rosalia, muitas pequenas empresas perceberam que a transformação digital não pode esperar mais para acontecer, isso engloba não só novas estratégias de engajamento pelas redes sociais, mas também a criação de sites, para que o negócio esteja na lista de buscadores como o Google.

Observando a migração em massa de negócios para o ramo digital, o publicitário Romário Nunes resolveu oficializar duas empresas também na internet.  Antes da decisão, os trabalhos eram feitos por indicações, o que gera muito resultado, mas ele também quis focar naqueles clientes que estão à procura de algo personalizado nos buscadores da internet e nas redes sociais, por isso, criou os sites focados em nichos diferentes: o da empresa de marketing e o da agência de passeios on-line voltado para  brasileiros em Cancún.

O primeiro site, que está há cerca de três meses no ar, é especializado em marketing digital, designer gráfico, artes para redes sociais, otimização de SEO, criação e gestão de websites; e em pouco tempo já recebeu dezenas de visitas e solicitações de orçamento. Já o segundo está focando em viagens para o ano de 2021, uma vez que Cancún, no México, é um destino muito buscado por brasileiros.

“Muitas empresas estão apenas antecipando um processo que já seria esperado nos próximos anos. Para muitos negócios existirem, eles devem estar na internet. Antes, eu tinha apenas as ideias dos sites, mas com tudo o que vem acontecendo no mercado decidi levar minhas ideias e o que já faço há anos, para o digital, não só através dos trabalhos nas redes sociais, mas também com um site. Assim, além do trabalho ficar mais profissional, as chances das minhas empresas serem encontradas por clientes em potencial aumentam muito no Google”, pontua o publicitário.

Um outro exemplo é o Valdeir Cardoso, que há quatro anos tem uma barbearia e, em 2020, tinha planos de expandir a estrutura física do negócio, mas, diante dos efeitos econômicos provocados pela pandemia, mudou a estratégia e decidiu levar a barbearia para a internet com um site, para que as pessoas possam conhecer o trabalho e agendar horário de atendimento. Dessa forma, ele continua atendendo e evitando aglomerações na loja.

 “Esse período me fez repensar meu negócio e analisar formas de atrair mais clientes. O site era o que precisava para divulgar o meu trabalho e serviços, além disso, poder organizar minha agenda e atendimento, seguindo os critérios de segurança”, afirma Valdeir.

Profissionais autônomos e liberais também investem no digital 

Quem atua de forma autônoma também tem buscado formas de reinventar e tornar o trabalho mias amplo, oferecendo novas possibilidades aos clientes. É o que tem feito a professora e arquiteta de interiores Bianca Barbosa, que também escolheu esse período para ampliar o trabalho e ter algo fixo no ambiente digital, com a criação de um site e a disponibilização de cursos on-line, upgrade nos negócios que ela planejava há um tempo.

A arquiteta de interiores Bianca Barbosa busca ampliar atuação profissional e atingir nichos diferentes

“Quero ter um site próprio para me fixar no mercado e expandir, deixar mais prático o atendimento e personalizado, dessa maneira atingir novos horizontes. Esse período precisou de um posicionamento muito assertivo e justamente por observar uma demanda dos meus estudantes e clientes na área de arquitetura de interiores me motivei a buscar profissionais adequados que pudessem me auxiliar na construção de um site que pudesse ao mesmo tempo ser uma plataforma flexível para atender meu cliente, mostrar meu portfólio de maneira posicionada e atender ao público estudantil que quer ter conteúdos complementares de organização de projetos e assim compreender como é que funciona um profissional autônomo ”, detalha Bianca.

Enxergar novas formas de executar os negócios é um caminho para sair da crise com mais energia. E, nesse processo, é fundamental perceber novas possibilidades de crescimento no mercado, sem medo de encará-las. 

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias