SAÚDE

Maranhão é destaque nacional no combate contra sífilis

A cidade de Natal (RN), inclusive, já pediu o apoio da SES para avançar no processo de combate à sífilis, ficando uma equipe de São Luís e do Estado comprometidas a ir à capital potiguar para realizar uma oficina

Foto: Reprodução

As políticas públicas, investimentos e trabalho de articulação realizados pelo Governo do Estado no combate à sífilis no Maranhão foram destaque no Seminário Interfederativo ‘Resposta Rápida à Sífilis nas Redes de Atenção’, da região Nordeste, realizado em Natal (RN) na última terça-feira, 3, e quarta-feira, 4. O trabalho da Secretaria de Estada da Saúde (SES) para descentralização das ações foi apresentado no encontro.

O objetivo dos encontros do Ministério da Saúde é articular gestores estaduais e municipais de cidades prioritárias, assim como apoiadores, para implementação de ações de prevenção e controle da sífilis. A doença, uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) curável e exclusiva do ser humano causada pela bactéria Treponema Pallidum, tem aumentado no país graças a alguns fatores, entre eles, o não uso de preservativos.

Segundo o secretário adjunto da Política da Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, Marcelo Rosa, a sífilis é uma epidemia e ainda mata muitas pessoas no país, mas a infecção fica à sombra de outras doenças, como HIV/Aids.

“A Secretaria de Saúde do Maranhão trata a doença de forma prioritária e a coloca na Programação Anual de Saúde com ações específicas para a sífilis. O que nenhum outro estado faz. Todos tratam a doença de forma secundária”, explicou.

Dentre as ações específicas programadas pela SES voltadas a combater a infecção, foram apresentadas as capacitações, treinamentos e ações de busca ativa, como os testes rápidos para detecção da doença entre grupos prioritários.

“O Maranhão é o único estado que já descentralizou o teste rápido, pois encaminhamos para as regionais de saúde os testes disponibilizados pelo ministério para serem usados nas unidades básicas. Isso permite que as mulheres grávidas e grupos prioritários consigam fazer a testagem no território em que são assistidos”, acrescentou Marcelo Rosa.

A cidade de Natal (RN), inclusive, já pediu o apoio da SES para avançar no processo de combate à sífilis, ficando uma equipe de São Luís e do Estado comprometidas a ir à capital potiguar para uma oficina com os passos para descentralização das ações de busca ativa. “O ministério vai disponibilizar também nosso trabalho para que outros estados recebam orientação de como foi feita essa descentralização”, ressaltou.

A comitiva maranhense no evento contou com a participação do secretário adjunto da Política da Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, Marcelo Rosa; pela chefe do Departamento de DST/Aids da SES, Jocélia Frazão; além dos coordenadores municipais de São Luís, Paço do Lumiar e Timon.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS