Gastroenterite

Gastroenterite, a virose da mosca que invadiu a capital

Cerca de 50% dos pacientes que estão lotando os corredores dos hospitais da capital maranhense são devido à contaminação da ‘virose da mosca’

Reprodução

Cerca de 50% dos pacientes que estão lotando os corredores dos hospitais da capital maranhense são devido à contaminação da ‘virose da mosca’, tecnicamente conhecida como gastroenterite. Ela é provocada pela ingestão de alimentos contaminados por fungos e bactérias. As principais vilãs desta virose são as moscas, que se proliferam consideravelmente neste período chuvoso e de temperatura elevada, deixando, assim, um cenário propício para a sua reprodução.

Segundo a médica Graziela Medeiros, da clínica geral da Hapvida Saúde, esses insetos são os que mais contaminam os alimentos, pois pousam sobre lixos e carregam impurezas para os alimentos consumidos. “Essa gastroenterite pode ser provocada por fungos ou bactérias, levados pelas moscas, mas também pode ser viral. De qualquer modo, a infecção causa problemas no trato gastrointestinal e, em geral, tem um ciclo autolimitado que dura de quatro a sete dias, mas a doença pode ser agravada se os cuidados básicos não forem tomados”, explica Graziela.

Segundo a médica, os sintomas da gastroenterite são muito parecidos com a da virose comum. “Em geral, a pessoa contaminada tem dor de cabeça, indisposição, febre baixa (se for infecção viral) e febre alta (se for bacteriana). Os sinais típicos da gastroenterite, que permitem o diagnóstico clínico da doença, são dores abdominais, dores no estômago, vômitos, náuseas, falta de apetite e diarreia (cerca de cinco evacuações por dia). As fezes ficam pastosas e líquidas”, pontua.

O modelo Flávio Gomes, 19 anos, passou o período carnavalesco refém da virose da mosca. “Ao fazer os exames clínicos o médico constatou que nada mais era que a ‘virose da mosca’. Foram quatro dias sentindo muito enjoo, com fortes vômitos, dores de cabeça, dores no estômago e falta de apetite”, conta.

Algumas pessoas buscam técnicas caseiras para inibir a proliferação do mosquito nas residências. O professor de Biologia do Instituto Federal do Maranhão Lula Henrique apresentou a O Imparcial algumas dicas simples para garantir a saúde e evitar os insetos como cobrir os alimentos, manter o ambiente de cozinha limpo e sem restos de comida. “algumas dicas caseiras podem ser usadas também como um recipiente com água e sabão em pó, com um pouco de açúcar que atraem as moscas e as eliminam autenticamente”, conta o professor.

Segundo a assessoria de um hospital particular da capital, 50% dos atendimentos em emergências de suas clínicas têm sido por conta desta virose.

CUIDADOS COM A MOSCA

  • Não deixar acumular o lixo mais de 4 dias dentro de casa;
  • Lavar o fundo do recipiente onde é colocado o lixo com água sanitária uma vez por semana;
  • Utilizar um prato ou outro utensílio para tapar a comida, evitando deixá-la exposta;
  • Evitar comer comida que esteve em contato direto com moscas;
  • Colocar redes contra moscas e mosquitos nas janelas;
  • Usar uma rede mosquiteiro para dormir, especialmente no caso dos bebês.
  • No entanto, caso as moscas consigam se desenvolver dentro de casa mesmo seguindo estas dicas, existem formas de eliminar, como usar inseticidas, armadilhas ou vaporizadores, por exemplo.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS