PRONUNCIAMENTO

‘O Exército não matou ninguém’, diz Bolsonaro sobre fuzilamento no Rio

Na tarde do último domingo, 7, o músico Evaldo morreu após ter o carro alvejado com 80 tiros por militares do Exército, no Rio de Janeiro.

Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) se pronunciou publicamente pela primeira vez sobre o caso da morte do músico Evaldo Roas dos Santos, de 46 anos, no Rio de Janeiro.

Em entrevista a jornalistas em Macapá nesta sexta-feira, 12, Bolsonaro afirmou: “O Exército não matou ninguém, não, o Exercício é do povo. A gente não pode acusar o povo de ser assassino não. Houve um incidente, houve uma morte, lamentamos a morte do cidadão trabalhador, honesto, está sendo apurada a responsabilidade”, afirmou.

O presidente informou que o Exército também irá se manifestar sobre o ocorrido. “O Exército, na pessoa do seu comandante, o ministro da Defesa, vai se pronunciar sobre o assunto. Se for o caso, me pronuncio também. Com os dados na mão, com os números na mão, nós vamos assumir a nossa responsabilidade e mostrar realmente o que aconteceu para a população brasileira, concluiu.

Relembre o caso

Na tarde do último domingo, 7, o músico Evaldo morreu após ter o carro alvejado com 80 tiros por militares do Exército, no Rio de Janeiro. No veículo também estavam a mulher, o filho, o sogro e uma amiga da família. O músico foi atingido por três tiros e morreu na hora.

O sogro de Evaldo, Sérgio Gonçalves, recebeu um tiro nas costas e outro no glúteo e está internado. Um homem que estava no local e tentou socorrer a família, também foi atingido por um tiro.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias