Caso Maciel

Nenhuma empresa utilizou a Lei de Incentivo à Centros de Distribuição

Apontada como responsável pelo declínio de grupos atacadistas, a Lei sancionada em 2017 ainda não foi utilizada por nenhuma empresa

Uma cortina de fumaça tomou conta do debate em torno da atual situação financeira dos Supermercados Maciel. A questão começou nas redes sociais e em debates entre amigos, onde se especula quais motivos levaram para que o grupo empresarial maranhense chegasse à atual situação. Uma reunião improvisada do proprietário Raimundo Nonato Maciel com seus funcionários na frente de uma de suas lojas reforçou a conjuntura precária em que vive a empresa.

A discussão atual retoma um debate antigo, do ano de 2017, quando a Assembleia Legislativa aprovou a Lei Nº 10.576 de 10 de Abril de 2017. O texto da lei trata do Programa de Incentivo ao Desenvolvimento dos Centros de Distribuição do Estado do Maranhão. Na nuvem das redes sociais, a matéria sancionada teria diso responsável pela ascensão do Grupo Mateus e o declínio do Grupo Maciel.

“Dizer que o estado está beneficiando uma determinada rede em detrimento de outra não faz sentido algum quando nós revogamos todos os benefícios especiais do estado. Como se diz que a gente faz uma lei para beneficiar uma determinada empresa e essa empresa nunca se interessou pelo benefício?”, questiona o secretário estadual da Fazenda, Marcellus Ribeiro Alves.

A lei não utilizada busca incentivar a instalação de Centros de Distribuição no Estado do Maranhão diz que para o empreendimento se enquadrar como CD tem que ser estabelecimento comercial atacadista com capital social mínimo de R$ 100 milhões e que gere 500 ou mais empregos diretos. O benefício concedido é de uma carga tributária de 2% de saídas de mercadorias.

Em entrevista publicada pelo jornal O Imparcial no dia 03 de abril de 2017, o secretário estadual da Fazenda, Marcellus Ribeiro Alves, disse naquele momento: “não possuímos centros de distribuição em nosso estado, atualmente, que sejam beneficiados”. Na ocasião, também esclareceu que centenas de atacadistas já possuíam regime de incentivos próprios e que estes estavam mantidos.

De lá pra cá o cenário não mudou muito, a não ser o crescimento da fantasia de que uma lei foi criada para beneficiar um determinado grupo empresarial. Quase dois anos depois, em nova conversa com o jornal O Imparcial, o secretário Marcellus Ribeiro Alves revelou que a Lei de Incentivo aos Centros de Distribuição ainda não foi utilizada por nenhum grupo empresarial.

Secretário da Fazenda do Maranhão comenta leis de incentivos que atingem setor atacadista e centros de distribuição

Mesmo depois de sancionada, o Grupo Mateus e nenhum outro Centro de Distribuição aderiu a este programa de incentivo (dos Centros de Distribuição). Acontece que o Mateus já estava inserido em outro programa de incentivo fiscal, este destinado para o segmento de atacadistas. O ponto em comum é que esta lei para atacadistas também determina a taxação de 2% de ICMS, este ponto leva a crer a falta de interesse de grupos empresariais optarem por mudar o programa de incentivo fiscal. A propósito, o Grupo Maciel já foi beneficiário da mesma lei que hoje beneficia centenas de atacadistas.

Outro ponto da antiga lei torna o incentivo mais atrativo para quem já tinha a adesão: permite que as redes atacadistas venda tanto para Pessoas Físicas quanto Pessoas Jurídicas (empresas). Diferente do que acontece com a Lei de Incentivo aos Centros de Distribuição, que determina que as vendas aconteçam em sua totalidade para empresas, conforme determina o artigo terceiro da Lei 10.576 de 10 de Abril de 2017.

“A gente lamenta quando se faz propositalmente uma confusão deste tipo. São dois benefícios diferentes e se diz que uma grande têm um benefício no qual ninguém tem. Se diz que esta lei de Centro de Distribuição tem uma carga tributária menor, o que não é verdade. As duas coisas não são verdadeiras”, comenta o secretário Marcellus Alves em razão da confusão entre duas leis existentes.

O secretário ainda explica que a carga tributária é a mesma das duas leis de incentivo, o que difere é a substituição tributária da destinada aos Centro de Distribuição. “Ninguém tem benefício de Centro de Distribuição no estado, a carga tributária é 2% para um e para outro, você vai ter diferença na substituição tributária”, explica Alves.

Indagado pela reportagem os motivos da lei não ter vingado, o secretário Marcellus Alves aponta que dois pontos podem ter afastado os investidores interessados em utilizar a Lei de Incentivo aos Centro de Distribuição. Primeiro, o fato de o Centro de Distribuição teria que ter como cliente somente pessoas jurídicas como dito anteriormente, além de ter que gerar 500 empregos e investir “a mesma soma de valores decorrentes dos benefícios recebidos, como estímulo à implantação ou expansão de seus empreendimentos econômicos, com vistas à geração de emprego e renda”, conforme determina o artigo oitavo da lei.

Outra questão apontada pelo secretário foi a situação econômica do Brasil em que vivia (e ainda vive), em que os grandes investidores mesmo com oportunidades não se sentiam confortáveis para grandes investimentos, como seria a instalação de um Centro de Distribuição. Marcellus Alves também respondeu que não há no momento a intenção de alterar a lei para que possa romper esses empecilhos, disse ainda que há conversas não avançadas com empresas maranhenses que ja tem interesse de conhecer mais esta lei.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS