NOVO GOVERNO

Indicada de José Sarney no Iphan continua no cargo de presidente, diz site

Nesta terça-feira (08), o blog político O Antagonista trouxe a informação que a sergipana Kátia Bogéa continua à frente do órgão na gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL)

A presidente do Iphan, Kátia Bogéa fala durante evento de inauguração da restauração das fachadas do Palácio Gustavo Capanema, no centro do Rio. (Foto: Agência Brasil)

No último dia 26 de dezembro,  o jornal O Imparcial adiantou a possibilidade de Kátia Bogéa, presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) Nacional, continuar à frente do Instituto no governo Jair Bolsonaro.

Já nesta terça-feira (08), o blog político O Antagonista trouxe a informação que a sergipana Kátia Bogéa continua à frente do órgão na gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Osmar Terra, o ministro da Cidadania, decidiu manter Kátia Bogéa na presidência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.”, diz o site.

Ainda em dezembro, então Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. Na época, Sá Leitão disse que tinha indicado, para o ministro Osmar Terra, o nome de Kátia Bogéa continuar no Iphan.

“Eu torço muito para que ela continue. Essa foi a recomendação que eu dei ao Ministro Osmar Terra [Cidadania] e também ao Henrique [José Henrique Medeiros Pires, secretário especial de Cultura]. Eu fiz essa recomendação. É uma profissional competentíssima, muito dedicada e que trabalha não apenas aqui pelo seu Estado mas pelo Patrimônio do país inteiro. Eu torço para que ela continue.”, defendeu o Ministro da Cultura.

Indicação de Sarney

A presidente do Iphan, Kátia Bogéa, chegou no comando máximo do órgão logo que o presidente Michel Temer assumiu o cargo. Funcionária de carreira do Instituto, Kátia Bogéa havia se aposentado depois de deixar a Superintendência do órgão no Maranhão. Quando deixou o cargo no Maranhão e pediu aposentadoria disse ela ao jornal O Imparcial: “Eu sou uma técnica, não me envolvo e nunca me envolvi com política partidária. Lamentável o que o país está vivendo”, disse ao jornal O Imparcial em outubro de 2015.

A interferência política que Kátia se referia era a escolha de um aliado do então deputado federal, Waldir Maranhão, para comandar o Instituto no Maranhão. Se tratava de Alfredo Costa.

Na entrega do Complexo Deodoro em São Luís, neste dezembro último, Kátia Bogéa fez questão de fazer alguns agradecimentos com ar de despedida e gratidão. Começou a agradecer o então presidente Michel Temer, os ministros Carlos Marún (Governo) e Sérgio Sá Leitão (Cultura). Por último agradeceu ao ex-presidente José Sarney. A plateia presente não digeriu o agradecimento e reagiu com vaias, mas ela continuou dizendo que era preciso “saber reconhecer as pessoas fizeram e ter gratidão por isso”, disse em contrapartida.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias