CORONAVÍRUS

No Maranhão

992
36625
11473
997
POLÍTICA

Deputado diz que vai sugerir a Cunha que deputados debatam a agenda Brasil

Ao avaliar as manifestações deste domingo, 16, pelo impeachment de Dilma, o parlamentar disse que viu nas ruas “forte contestação e forte crítica ao governo”

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), que é um dos vice-líderes do Governo na Câmara, vai propor ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a criação de uma comissão de deputados para discutir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RJ), a “Agenda Brasil”. “A Agenda Brasil é boa para o País. A Câmara terá a oportunidade de interagir com essas propostas”, disse Silva. Essa agenda envolve um pacote de medidas propostas pelo Senado para ajudar o Brasil a superar a crise econômica.
Ao avaliar as manifestações deste domingo, 16, pelo impeachment de Dilma, o parlamentar disse que viu nas ruas “forte contestação e forte crítica ao governo”. Para sair dessa situação, ele acredita que o governo precisaria apostar todas suas fichas no curto prazo na agenda de crescimento econômico, uma vez que o fator “Operação Lava Jato” é considerada uma variável autônoma, independente da ação do Palácio do Planalto. “O governo pode intervir na questão econômica”, sugeriu.
O conjunto de propostas apresentado por Renan Calheiros, disse Silva, é o caminho para a busca da estabilidade política e econômica. “A crise econômica é muito grave. Temos de botar os interesses do País acima dos interesses partidários”, pregou.
Cunha, no entanto, não demonstrou qualquer disposição, pelo menos hoje, de tomar a iniciativa de entrar nas negociações da “Agenda Brasil”. “Ali é muita espuma. Quando baixar a espuma, vamos ver o que tem”, declarou o presidente da Câmara.
Ao chegar na Câmara nesta tarde, Cunha também sinalizou que não pretende arrefecer o clima contra o governo na Casa. Ele anunciou que a proposta que muda a forma de remuneração das contas vinculadas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é o primeiro item da pauta e que será votado “para o bem ou para o mal”. “Creio não ter diminuído a disposição para a pauta bomba”, lamentou outro vice-líder do governo, deputado Paulo Teixeira (PT-SP).
Para o líder do DEM na Casa, Mendonça Filho (PE), os protestos deste domingo estimularam a Câmara a seguir uma agenda própria, de preferência contra os interesses do Palácio do Planalto. “Não tem clima para um ‘acordão’ na Câmara. Essa ‘operação abafa’ será esvaziada na Câmara”, previu.
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias