SEGURANÇA

Ferramenta pode ajudar mulheres em situação de emergência

Termo de cessão do uso do aplicativo já foi assinado e a implantação deve acontecer nos próximos meses

Somente em 2017, 50 mulheres foram vítimas de feminicídio no Maranhão. Outras 8.955 estão nas estatísticas de violência doméstica, 1.199 foram estupradas e 242 sofreram tentativa de estupro. Dados fortes registrados e divulgados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, no início deste mês.

Diante do aumento no número de casos, a luta em todo o país é para reduzir esses índices, que mancham de sangue a vida de diversas famílias. Uma novidade deve chegar no Maranhão nos próximos meses como mais uma ferramenta disponível para que as mulheres possam usar em situação de emergência: o aplicativo SALVE MARIA.

A vítima pode pedir ajuda por meio do botão do pânico que, ao ser acionado, envia automaticamente sua localização. A viatura que estiver mais próxima será deslocada para atender a ocorrência. Além disso, o aplicativo também recebe denúncias de pessoas que sejam testemunhas de crimes dessa natureza. Todas as denúncias são realizadas de forma anônima e a identidade das vítimas é mantida em sigilo.

O aplicativo foi lançado em março do ano passado no Piauí e, por meio da assinatura do termo de cooperação entre os dois estados, houve uma cessão de seu uso em território maranhense.

De acordo com diretor da Agência de Tecnologia da Informação (PI), Avelino Medeiros, o Maranhão foi o primeiro estado a firmar essa parceria. “O aplicativo tem tido um resultado positivo no Piauí desde sua implantação e acredito que isso deve se repetir em outros estados. É importante ressaltar que a denúncia é feita de forma anônima e nem mesmo nós, que desenvolvemos o app, temos acesso a esses dados. Ele é baixado de forma gratuita e estará disponível tanto para Android quanto IOS”, explica Medeiros.

A coordenadora das Delegacias da Mulher no Maranhão, delegada Kazumi Tanaka, descobriu a solução tecnológica por meio da internet e desde o ano passado está na expectativa da utilização do SALVE MARIA como mais uma ferramenta importante.

“O app é de fácil manuseio e é interessante porque envia a geolocalização da vítima. Nosso pessoal encarregado desse monitoramento passará por capacitação e assim que possível daremos início no uso do aplicativo”, pontua a delegada Kazumi Tanaka, que ressalta que a cada dia, mais mulheres estão criando coragem para denunciar os casos de violência.

A mulher vítima de violência doméstica e familiar pode denunciar o agressor em delegacias especiais da mulher, na Defensoria Pública, Ministério Público, Centros de Referência da Mulher ou utilizando o serviço Disque Denúncia Nacional (180); Capital ((98) 3223 5800); e Interior (0300.313.5800).

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS