No fim da juventude

O que esperar de uma gravidez após os 30 anos ?

“Nadando contra a corrente”, muitas mulheres ainda sonham em ser mães e investem longos e sofridos anos de suas vidas às tentativas de engravidar mesmo quando a juventude já chegou ao fim

(Foto: Reprodução)

Passar noites em claro ouvindo um ser pequeno e indefeso chorando por motivos desconhecidos, carregar o peso de um barrigão para lá e para cá e conviver diariamente com o medo de um futuro incerto: esses são apenas os mais leves dramas com os quais uma mulher precisa lidar ao decidir que é hora de ser mãe. Apesar dessas e outras complicações comuns ao período gestacional, há muitas mulheres que dedicam longos e sofridos anos de suas vidas às tentativas de engravidar.

Mamãe aos 36 

Após três anos regados a tentativas frustradas, há um ano a professora Alexsandra Paz recebeu a tão esperada notícia, ela estava grávida do pequeno Heitor. “É um bebê muito desejado. Eu e meu marido estávamos tentando engravidar há 3 anos e enfim, nosso Heitor chegou”, disse. Apesar da alegria de saber que o sonho de ser mãe estava mais próximo do que nunca, os riscos que envolviam a gestação rondavam as mentes dela e de seu marido. ” Tenho os rins policísticos, que é uma condição genética que só aparece na vida adulta e que só foi descoberta há 3 anos. Faço o controle da pressão arterial, alimentação e do funcionamento dos rins que têm atividade normal, mas durante a gravidez, mesmo com todo esse cuidado tive o início da chamada síndrome de HELLP , então tive aumento da pressão arterial e queda de plaquetas”, contou.

Apesar de ser prematuro, Heitor hoje cresce saudável. (Foto: Arquivo Pessoal)

Sobre as dificuldades decorrentes dessa gravidez “tardia”, a professora diz que o maior problema que encontrou foi com relação à saúde durante a gestação, que demandou mais cuidados do que o comum. Passados os sustos, hoje Heitor  é um bebê de 3 meses e 26 dias, sadio. “Apesar de ser prematuro,  não foi preciso incubadora. Atualmente faço a amamentação em livre demanda”, disse.

A mamãe de primeira viagem “Mesmo com tudo isso, a experiência de ter o filho é muito gratificante. Todos os momentos, a notícia de saber da gravidez, o parto, olhá-lo a primeira vez, amamentar, perceber seu crescimento e desenvolvimento. Isso supera o cansaço e as noites mal dormidas”, completou.

 Quais os riscos de uma gravidez após os 30?

  • Aumento na incidência de diabete gestacional, hipertensão específica da gravidez  e distócia funcional, quando o trabalho de parto não evolui na velocidade esperada;
  • Para o bebê, os riscos estão associados a alterações cromossômicas numéricas ou estruturais, como a síndrome de Down;
  • O risco de abortos é maior;
  • Há maior possibilidade de o bebê nascer prematur0;

 

Quais as vantagens de engravidar “mais tarde”? 

O fator experiência é um dos mais determinantes quando assunto é gravidez após os 30 anos. Apesar da significativa queda na fertilidade, não é totalmente impossível ter uma gravidez saudável.  O ideal é procurar a ajuda de um profissional e dar início às tentativas.