Segundo o DPVAT

MA é o quarto do nordeste em indenizações por morte no trânsito

Boletim apresentado durante a Semana Nacional do Trânsito revela que, no último mês, foram pagas 37.934 indenizações em todo o Brasil, número 8% maior do que o registrado em agosto de 2016

25/07/2012. Crédito: Neidson Moreira/OIMP/D.A Press. Brasil. São Luis - MA. José Domingos dos Santos foi vítima de acidente de trânsito na Av. Jerônimo de Albuquerque.

O Maranhão fica atrás apenas dos estados do Ceará e de Pernambuco quando o assunto é indenização paga por invalidez permanente em acidentes de trânsito no Nordeste. Dados do Boletim Estatístico da Seguradora Líder, responsável pela administração do Seguro DPVAT, demonstram que, só em agosto, foram pagas 37.934 indenizações para casos de morte, invalidez permanente e despesas médico-hospitalares decorrentes de acidentes de trânsito no Brasil.  Esse número é   8% maior do que o registrado no mesmo mês de 2016. A edição estatística do último mês mostra, ainda, um aumento de 42% de indenizações por morte ante ao mesmo período de 2016. Foram 4.595 indenizações pagas para herdeiros de vítimas fatais em apenas um mês.

O Maranhão é o 4º da Região Nordeste em pagamento de indenização por morte. Bahia, Ceará e Pernambuco encabeçam a lista. Em agosto de 2016, foram 100 indenizações. Já em 2017, foram 179, um aumento de 79% em relação ao mesmo período.

Nas indenizações por invalidez permanente, o Maranhão ocupa o terceiro lugar, ficando atrás de Ceará e Pernambuco. Foram 1.082 pagamentos no ano passado em agosto, contra 1.291 no mesmo período em 2017. Um acréscimo de 19,32%.

Os motociclistas ainda são as principais vítimas de acidentes. Na avaliação do mês de agosto, dos 16.977 motoristas que receberam indenização por invalidez permanente, 15.270 eram motociclistas. Em números percentuais, eles representaram quase 90% dos condutores indenizados neste tipo de cobertura durante o mês de agosto.

“Parece notícia antiga, mas, infelizmente, não é. Os motociclistas continuam no topo das estatísticas de trânsito e sempre com números preocupantes. A análise e disseminação das estatísticas do Seguro DPVAT pode contribuir para o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes mais efetivas”, alerta Ismar Tôrres, diretor-presidente da Seguradora Líder DPVAT.

Divulgado durante a Semana Nacional do Trânsito, que se encerrou no dia 25 de setembro, o recorde é estatístico. A data é celebrada desde 1997, quando foi instituído o Código de Trânsito Brasileiro. O período é utilizado, anualmente, pelos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, para alertar à população sobre o tema, já que o número de acidentes cresce a cada dia.

Na região metropolitana de São Luís, em 2016,  78 pessoas morreram vítimas de acidentes de trânsito, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, por meio de quantitativo diário de crimes violentos e outras mortes. Isso representa um índice 4% maior do que os dados de 2015, que registraram 75 mortes. Em 2014, foram contabilizadas 94 mortes. Do início do mês de setembro até ontem, o relatório da SSP aponta que 10 pessoas já foram vitimadas no trânsito por colisão, choque ou atropelamento. Em agosto, foram seis vítimas fatais. Chama atenção o alto número neste mês por ter sido um período de intensa campanha de conscientização da Semana Nacional de Trânsito.

Acidentes por tipo de veículo

A motocicleta foi o veículo com o maior número de indenizações em agosto de 2017. Apesar de representar apenas 27% da frota nacional, concentrou 74% das indenizações. Das indenizações pagas no período para acidentes com motocicletas, 77% foram para invalidez permanente e 8% para morte. Já 88% das indenizações por morte em acidentes com motocicletas foram para vítimas do sexo masculino.

Vítimas fatais

No mês de agosto de 2017, a Região Sudeste concentrou a maior incidência dos acidentes com vítimas fatais (34%), com maior participação dos automóveis (43%). A frota da Região Sudeste representa 49% da frota nacional.  A Região Nordeste concentrou a segunda maior incidência (32%), porém com maior participação das motocicletas, que representaram 62% das indenizações por morte na região. O Nordeste concentra apenas 17% do total de veículos do país, sendo que a sua frota de motocicletas representa 28% da frota nacional de motocicletas e 44% do total de veículos da região. A Região Norte concentrou 9% das indenizações por morte no período analisado, sendo que 65% foram por acidentes fatais envolvendo motocicletas. A região concentra apenas 9% da frota nacional de motocicletas, porém, essa categoria representa 50% do total de veículos da região.