Tudo acaba em samba!

Veja cinco dicas imperdíveis de rodas de samba em São Luís

Agora é só separar o melhor – e mais resistente – sapato e afinar o gogó para curtir o melhor do samba na ilha. Confira!

Já dizia Dorival Caymmi: “quem não gosta de samba, bom sujeito não é. É ruim da cabeça ou doente do pé”. Os brasileiros fora-do-eixo do ziriguidum que nos perdoem, mas o baiano foi, de fato, feliz na constatação. E para saudar o, mais que gênero, estilo de vida genuinamente brasileiro, O Imparcial destaca cinco sambas para todos os gostos que valem a visita, e, quem sabe, a assiduidade. Confira!

1. Samba na Fonte

Quer curtir um samba de primeira qualidade num cenário histórico de São Luís? O Samba na Fonte é a pedida. O projeto ocorre todas as quintas-feiras, a partir das 19h, na Fonte do Ribeirão, Centro de São Luís, e agrega arte, música e intervenções urbanas, além de evidenciar compositores locais e incentivar a preservação do Patrimônio Histórico.

Tião no Samba na Fonte.

A post shared by SambaNaFonte (@sambanafonte) on

2. Samba de Iaiá

Para prestigiar e curtir o melhor do samba de raiz em São Luís, outra boa opção é o Samba de Iaiá, que acontece todo sábado, a partir das 17h, no Olho d’Agua. Imperdível!

🎤✌🏼

A post shared by Samba de Iaia (@samba_de_iaia) on

3. Segunda Opção

De ‘segunda opção’ ele só tem o nome: é que toda segunda-feira, a partir das 19h, a pedida é aproveitar o melhor do samba de roda no Bar do Ruy, localizado na Rua Janser Muller, no Centro próximo à Refesa. Vale conferir!

Romildo

A post shared by Alessandra Abreu (@bar_do_ruy) on

4. Tzão de Velho

No coração do bairro mais cultural de São Luís, a Madre Deus, o samba Tzão de Velho arrasta com vigor os amantes do samba de raiz. O projeto ocorre sempre no segundo domingo do mês, e começa às 18h. Quem samba no Largo do Caroçudo, não se arrepende! O próximo encontro da rapaziada está marcado para este domingo (13), Dia dos Pais.

5. Samba da Feirinha

Se você já passou às tardes de sábado pelos arredores do Mercado das Tulhas, localizado na Praia Grande, e não se sentiu no mínimo tentado a entrar no lugar depois de ouvir o gingado do samba, reforça a teoria de Caymmi citada acima. Não tem erro, o Samba da Feirinha é sempre uma boa pedida!

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS