Alternativa

Encontro de brechós promove moda sustentável em São Luís

O evento ocorre neste sábado (12), a partir das 15h, na Praça Nauro Machado

Você já visitou um brechó? Se a resposta for afirmativa, então provavelmente conhece a sensação de fazer achados incríveis, apaixonar-se por cada peça e criar um elo especial com cada roupa comprada. Isso tudo, pagando mais barato. As lojas físicas do tipo existem há pelo menos um século, colocando à venda artigos usados como roupas, calçados, bijuterias e outros objetos. Mas, recentemente, com a popularização da prática e com o advento da tecnologia e fácil acesso às redes, os brechós têm invadido também a internet. São milhares de lojas online espalhadas pela web e perfis no Instagram e Facebook que chamam a atenção de clientes e fazem girar este mercado que vem crescendo cada vez mais.

Tamanha é a popularidade dos empreendimentos, que São Luís será palco de um evento especial para os amantes das lojinhas de artigos usados. O II Encontro de Brechós ocorre neste sábado (12), a partir das 15h, na Praça Nauro Machado, no bairro da Praia Grande, e contará com a presença de diversos brechós que disponibilizarão itens baratíssimos e super bem conservados, garantem os organizadores, além de roupas novas, livros, comida vegana e música, para animar a ocasião.

❌ VENDIDA ❌ Short por 5$ disponível tamanho 40. Se interessou? É só chamar no direct.

A post shared by H U G U P brechó e arte (@hug.up) on

Entre os brechós que participarão do evento, estão o Hug Up, Desacumulando, Era do Mar, Cultivando Sorrisos, Ise Desapega, Aloha Brechó, Brechó da Lalis, Bazar Pega e Leva, Tecer e Arte e Manjericão. “Tem muitos brechós agora em São Luís online pelo Instagram, mas poucos se conhecem. Com o evento, todo mundo conhece a se conhecer mais, conhece as peças umas das outras, alguém que tenha peças, e pode indicar pra outros clientes”, explica Tainá Cruz, uma das proprietárias do Hug Up, que participará do Encontro de Brechós.

Carol Nunes, uma das organizadoras do evento e proprietária do Esquina Brechó, conta que o evento é importante para ajudar a barrar o preconceito com as lojas que vendem itens usados e por promover a moda sustentável. “A ideia inicial desse encontro foi mostrar que a gente pode fazer moda sustentável, pode reaproveitar uma roupa, refazer uma outra roupa, então essa foi o objetivo, e com preços bem baixos. Uma peça de roupa que você compra em loja de departamento, você compra três peças no brechó”, comenta Carol Nunes.

A organizadora do evento pontua, ainda, que o evento serve para aglutinar os brechós da ilha, em sua maioria online, e fomentar uma rede em que os proprietários colaboram uns com os outros. “A gente é um grupo, mas às vezes quando não dá pra uma ou duas irem no dia, elas se juntam e fazem no dia que pode”, comenta Carol Nunes, explicando a prévia do encontro que ocorre nesta sexta-feira (11), na Praça Nauro Machado, com os brechós Esquina e Brechozíneo.

Alternativa

Os brechós surgem geralmente, da perspectiva dos pequenos empresários, como alternativa para fazer dinheiro extra e para desapegar de itens antigos. Foi o caso de Tainá Cruz e a namorada, Letícia Nascimento, proprietárias do Brechó Hug Up, que antes de comercializar roupas, vendia apenas livros. “Nós desapegamos de roupas nossas no começo, muitas roupas que não usávamos mais e que não teriam destino. E com o tempo conhecemos outros brechós em São Luís [para revenda]”, conta Tainá, pontuando ainda que no brechó, as blusas, camisas sociais, calçados e bolsas são as peças que mais fazem sucesso.

No caso dos brechós virtuais, que têm ganhado cada vez mais adeptos tanto no ponto de vista de venda quanto no de compra, as entregas são feitas geralmente em shopping centers, terminais de ônibus e universidades, após o cliente identificar online a peça que deseja. “O meio de comunicação que as meninas usam é bem mais fácil de atingir o público que elas querem, do que o brechó físico”, explica a proprietária do Esquina Brechó, Carol Nunes.

Quem compra em brechós, geralmente se torna assíduo. É o caso da estudante Alice Saraiva, que começou a frequentar os locais quando viu que as peças que queria adquirir não eram facilmente encontradas em lojas comuns, de departamento. “Além de ter várias peças diferenciadas, exclusivas, a maioria é por um preço bem pequeno”, afirma a estudante que tem como itens preferidos as calças jeans vintage, camisas e bolsas. Alice dá a dica: existem muitos brechós de qualidade na Cidade Operária, no Centro, João Paulo e na Feira da Cohab.