Transmitindo conhecimento

Ação anônima gera movimento literário em praça

Ação anônima na Praça do Letrado, no bairro Vinhais, está gerando um movimento literário inédito para o bairro

Livro na praça (Foto: Luiz Junior)

“Eu achei que alguém tinha esquecido esses livros, mas depois vi que tinham deixado ali de propósito”. O músico e instrumentista Luiz Junior se surpreendeu quando chegou à Praça do Letrado para fazer atividade física, na última quinta-feira,  e se deparou com vários livros nos bancos da praça. Procurou saber quem tinha sido o autor do feito, mas ninguém sabe, não descobriu.

“Quando você vai fazer uma atividade física numa praça, e se depara com vários livros espalhados no banco pra qualquer pessoa ler? Orgulho em morar nesse bairro chamado Vinhais! Praça do Letrado fazendo jus ao nome”, publicou o artista em uma rede social. Imediatamente várias pessoas se identificaram com a atitude e já se manifestaram o desejo de levar para outras praças. Imediatamente também, o artista quis continuar a ideia.

“Pensei: porque não dar prosseguimento a essa atitude tão interessante? Fizemos uma mobilização por várias casas do bairro, recolhendo livros, para dar continuidade àquela iniciativa anônima, para que mais pessoas se envolvam, para que mais pessoas tenham conhecimento”, afirma o artista.

Mais de 30 livros foram doados por moradores do bairro. Logo na sexta-feira os títulos, dos mais diversos gêneros e autores, foram deixados nos bancos da praça, contendo um bilhetinho com a seguinte recomendação: “A gente pede que as pessoas leiam e depois deixem de volta, ou se levarem, que deixem outro livro no lugar”, pede Luiz Junior.

A ideia é sempre deixar os livros disponíveis para quem quiser. Agora além de um local de lazer, de prática de atividades físicas, a praça também tem seu espaço de cultura.

“As pessoas estão entendendo a proposta, estão participando, se mobilizando também e a intenção é que ele seja ampliado. Já tem colegas que estão querendo levar essa ideia para outros bairros, então o objetivo é espalhar conhecimento mesmo, incentivar a leitura, a cultura, e a doação também”, aposta o músico.

Os horários de maior movimentação na praça são às 8h e às 17h, quando um público maior frequenta o espaço. A iniciativa anônima acabou gerando frutos e incentivando a leitura e o compartilhamento de conhecimento.

Para a frequentadora da praça, Maria Lúcia, a ideia, de quem quer que tenha sido, foi genial. “Já pensou se, de repente, cada leitor que tem em casa alguns livros se dispusesse a ‘esquecer’ pelo menos um em qualquer lugar que seja? É mais gente compartilhando de conhecimento”, constata a moradora.

Praça do Letrado

Com o aumento do uso de tecnologias e de redes sociais, disseminar o hábito de ler livros pode ser uma tarefa difícil. Essa ideia já acontece em outras cidades, como em Vitória (ES), em que os livros são deixados nos bancos dos ônibus. O propósito é sempre o mesmo, incentivar a leitura, compartilhar conhecimento.

A atitude dos moradores condiz com o nome da praça: Praça do Letrado, que leva esse nome em homenagem a José Ribamar Carvalho, o Letrado, líder comunitário e que lutou por melhorias e preservação das áreas verdes. Letrado morreu em 1997 e a praça foi construída pelo então Prefeito Jackson Lago para homenageá-lo.

Em 2016 a praça foi entregue para a população totalmente reformada com 9.600m² de obra construída. Arena de Beach Soccer, quadra poliesportiva, playground, calçamento, três mil metros de tapete de grama, equipamentos de ginástica, iluminação moderna e uma nova parada de ônibus constam da reforma.

MOSTRAR MAIS