Mensalidades abusivas

Escolas particulares têm que justificar aumentos

Após denúncias de consumidores, o Procon/MA notificou cerca de 20 escolas particulares. As mesmas, devem apresentar uma planilha de custos com intuito de investigar suposto reajuste abusivo.

Por: Da Redação
Foto: Escolas particulares são notificadas para apresentarem planilha de custos

Após denúncias de consumidores, o Instituto de Proteção e Defesa ao Consumidor do Maranhão (Procon/MA) notificou cerca de 20 escolas particulares, entre elas Reino Infantil, Crescimento, Dom Bosco, Batista Daniel de La Touche, Adventista, Master, Santa Tereza, Educator, Educator Educação Infantil, Centro de Ensino Upaon – Açu, Colégio Bom Pastor, Literato, Marista do Araçagy, Universidade Infantil Rivanda Berenice, CEI COC, Colégio Educallis, Escola São Vicente de Paulo, Instituto Divina Pastora, Escola Dom Quixote, Colégio Pitágoras, para apresentarem planilha de custos com o intuito de investigar suposto reajuste abusivo das mensalidades para o ano de 2017.

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado do Maranhão (Sinepe/MA) também foi notificado para que recomende aos seus associados a apresentação da documentação exigida pelo órgão de defesa do consumidor. A determinação tem fundamento no Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90), no Decreto Federal nº 3.274/99, bem como na Lei Federal nº 9.870/99, que dispõe sobre o valor das mensalidades escolares e ainda prevê a proibição de outras práticas abusivas quanto aos serviços educacionais.

Leis

De acordo com as leis mencionadas, as escolas para formarem suas mensalidades, precisam ter por base a mensalidade do ano anterior, podendo ser reajustada, proporcionalmente à variação de custos de pessoal e de custeio, comprovado mediante apresentação de planilha de custo.

Segundo o presidente do Procon, Duarte Júnior, o Instituto, desde 2015, tem realizado diálogo com escolas, pais e com o sindicato e, inclusive, publicou a Portaria nº 52/2015 com
objetivo de garantir a melhor aplicabilidade das leis e buscar o equilíbrio nas relações de consumo. O documento regulamenta o que pode ou não ser exigido dos alunos pelas escolas particulares na lista de material escolar, trata sobre uniforme e reajuste de mensalidade.

“Mesmo com o diálogo, algumas escolas insistem em continuar com práticas abusivas. Por isso, estamos agindo de forma firme com as instituições de ensino que não cumprem os direitos básicos do consumidor, para que práticas como essas sejam extintas em nosso estado”, afirmou o presidentedo Procon no Maranhão, Duarte Júnior.

O órgão também informou que os notificados têm o prazo de cinco dias, após o recebimento da notificação, para apresentar as informações e documentos solicitados sob pena de crime de desobediência e infrações às normas consumeristas. A Portaria nº 52/2015 pode ser conferida no site www.procon.ma.gov.br.

Assis Filho toma posse de secretaria

Francisco de Assis Filho teve seus bens bloqueados em investigação de um suposto esquema de funcionários fantasmas

Trump dispara contra OTAN e UE

Presidente eleito dos Estados Unidos também acredita que mais países sairão da União Europeia

Setor hoteleiro está otimista

Praias limpas e as mais de 200 rotas áreas que chegam ao Maranhão animam donos de hotéis

Maranhão com mais 7 defensores públicos

Mais de 4 milhões de maranhenses são atendidos pela Defensoria Pública Estadual (DPE)

Acidente mata cinco pessoas na BR-010 sendo três crianças

A PRF culpou a má condição da rodovia pelo acidente

Ferrovias seriam solução para o Itaqui, diz especialista

Com transporte ferroviário os custos de logística poderiam cair 38% por tonelada

Projeto incentiva o cultivo de sururu em Bequimão

Mais de 30 habitantes do povoado já foram capacitados no manejo e cultivo de moluscos

Municípios maranhenses receberão ônibus escolares

Os veículos foram adquiridos em parceria com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e serão doados às prefeituras

SENAI abre vagas para curso grátis

O objetivo foi formar mão de obra qualificada, que possa ser empregada pela própria concessionária ou por empresas parceiras que atuam em suas obras

Obra da Odebrecht em 'Paço' é embargada

Segundo a prefeitura, a obra estava sendo executada sem sem solicitação à prefeitura, sem apresentação de projetos e sem pagamento de tributos

VEJA MAIS