45 anos da primeira aparição de Wolverine

Um dos super-heróis mais populares do mundo, o baixinho vestido de amarelo já passou por muitos altos e baixos em “sua carreira”. Veja os principais pontos

Reprodução

Quando Wolverine surgiu, em 1974, é bem provável que seu criador, o roteirista Len Wein, sequer suspeitasse do sucesso que aquele baixinho vestido de amarelo e com bigodinhos faria pouco tempo depois. Menos ainda que, passados 45 anos após a primeira aparição do mutante em The Incredible Hulk #180, uma história do Hulk, ele estaria no auge de sua popularidade. Para celebrar o aniversário do carcaju, reunimos a trajetória desse personagem conhecido não só por ser bom de briga, ou por seus dons mutantes, mas também por um traumático passado que envolve implantes de memória e lavagens cerebrais.

As origens

O que se sabe com certeza é que o homem que durante muitos anos foi chamado simplesmente de Logan nasceu James Howlett, no Canadá, na segunda metade do século XIX.

Depois de uma tragédia familiar, James assumiu o nome Logan e passou o resto de sua adolescência nas florestas daquele país. Quase cem anos depois, na última metade do século XX, Logan foi recrutado – à força ou não – pelo governo canadense para participar do projeto Arma X, no qual teve o metal indestrutível adamantium vinculado aos seus ossos. Pouco tempo depois integrou o primeiro supergrupo do Canadá, a Tropa Alfa, que deixou para tornar-se um membro relutante dos X-Men, grupo do qual nunca mais saiu.

Entre cada uma dessas fases, registradas nos quadrinhos, há grandes espaços em branco – resultando em poucas certezas do que é fato ou ficção na biografia de Logan.

Memórias desencontradas

As várias fases de Wolverine nos quadrinhos foram contadas de maneira não-linear – como a própria memória do mutante. Assim, ainda restam dúvidas sobre a ordem dos fatos que não envolvem momentos históricos significativos, como a Segunda Guerra Mundial, quando Logan lutou ao lado do exército canadense, tendo encontrado, inclusive, com o Capitão América quando servia na ilha de Madripoor. Nessa época ele libertaria reféns dos nazistas, inclusive uma certa Natasha Romanoff, que mais tarde se tornaria a heroína Viúva Negra.

Na década de 1950, Wolverine voltou ao Canadá, onde usufruiu de uma vida simples ao lado de sua esposa, Raposa Prateada. A fase feliz, porém, era mera ilusão, um implante de memória, e a mulher não passava de uma das agentes do programa Arma X.

Dez anos depois, nos anos 1960, Logan também atuou como agente da CIA, o serviço secreto dos Estados Unidos. Ao lado de Victor Creed (o Dentes de Sabre) e outros mutantes também egressos do Arma X, ele realizou missões supersecretas. Também nesse período, Logan prestou serviços à S.H.I.E.L.D., tornando-se um dos grandes amigos do então chefe da agência, Nick Fury.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias