Economia

Governo admite que inflação vai subir ainda mais

Ministério da Economia projeta alta de 7,90% para o IPCA neste ano. No caso do INPC, que reajusta o salário mínimo, a estimativa é de 8,40%. Com isso, o piso salarial do país passaria a R$ 1.192,40 em janeiro de 2022, mas não haveria ganho real

Foto: Reprodução

O governo elevou, novamente, a projeção da inflação para este ano. A estimativa para o Índice de Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 5,90% para 7,90%. Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que embasa o reajuste do salário mínimo, deverá fechar 2021 em 8,40%, segundo a nova grade de parâmetros macroeconômicos divulgada ontem pela Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia.

A alta do INPC vai pressionar ainda mais o Orçamento de 2022, já que, no projeto encaminhado ao Congresso, o governo considerou uma variação de 6,20% do indicador. Com o ajuste nas previsões, o salário mínimo poderá aumentar dos atuais R$ 1.100 para R$ 1.192,40 em janeiro próximo. Se confirmada, a elevação será maior do que a proposta de R$ 1.169 estimada pelo governo no projeto de Orçamento de 2022. Com base no mesmo índice de reajuste, o teto dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) passaria dos atuais R$ 6.433,57 para R$ 6.973,99.

Segundo informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), atualmente, 50 milhões de brasileiros recebem um salário mínimo no Brasil. Destes, 24 milhões são aposentados do INSS.

Vale destacar que, em 2021, o salário mínimo de R$ 1.100 não repôs a inflação do período anterior, sofrendo reajuste de 5,26%, abaixo dos 5,45% somados no INPC. Dessa forma, se realmente for cumprido o reajuste sinalizado hoje, não haverá nenhum ganho real no poder de compra do salário.

Com o reajuste compensatório do salário mínimo, o impacto nas contas públicas aumenta. Segundo os cálculos do governo, para cada R$ 1 de aumento do salário mínimo é criada uma despesa de aproximadamente R$ 355 milhões.

variação maior do INPC não vai provocar alta apenas nas despesas do INSS. “Todas as despesas orçamentárias do governo aumentam”, disse o economista Joni Vargas, sócio da Zahl Investimentos. Para Camila Abdelmalack, economista chefe da Veedha Investimentos, “fica mais difícil, também, encaixar as despesas dentro do teto de gastos”.

Com os novos parâmetros macroeconômicos, será preciso, ainda, revisar os números da proposta orçamentária encaminhada ao Congresso.

VER COMENTÁRIOS
Esportes
Entretenimento e Cultura
Concursos e Emprego
Polícia
Mais Notícias