BASTIDORES

Frentes sem costas

Com ape­nas seis me­ses de go­ver­no Bol­so­na­ro e fal­tan­do três anos e meio pa­ra a elei­ção pre­si­den­ci­al de 2022, o te­ma, mes­mo dis­tan­te, já in­cen­deia o de­ba­te po­lí­ti­co. Flá­vio Di­no, úni­co go­ver­na­dor da his­tó­ria do PC­doB, já se pos­ta no cen­tro des­sa dis­cus­são de 2022, co­mo quem se dis­põe a dis­pu­tar o Pla­nal­to. Por is­so, […]

Com ape­nas seis me­ses de go­ver­no Bol­so­na­ro e fal­tan­do três anos e meio pa­ra a elei­ção pre­si­den­ci­al de 2022, o te­ma, mes­mo dis­tan­te, já in­cen­deia o de­ba­te po­lí­ti­co. Flá­vio Di­no, úni­co go­ver­na­dor da his­tó­ria do PC­doB, já se pos­ta no cen­tro des­sa dis­cus­são de 2022, co­mo quem se dis­põe a dis­pu­tar o Pla­nal­to. Por is­so, vi­rou al­vo pre­fe­ren­ci­al do pre­si­den­te e seus se­gui­do­res bol­so­na­ris­tas nas re­des so­ci­ais.

Co­mo ne­nhum no­me do cen­tro, até ago­ra, si­na­li­za dis­po­si­ção de en­fren­tar a en­cren­ca pre­si­den­ci­al, os no­mes mais à es­quer­da, en­quan­to se me­xem, tam­bém, já se olham atra­ves­sa­dos, chei­os de des­con­fi­an­ça. Flá­vio Di­no fa­la com os ex-pre­si­den­tes, in­clu­si­ve o ad­ver­sá­rio pa­ro­qui­al Jo­sé Sarney, pro­pon­do uma fren­te am­pla pa­ra de­fen­der a de­mo­cra­cia do ris­co au­to­ri­tá­rio de Bol­so­na­ro que. Es­te, por sua vez, não es­con­de o de­se­jo de con­cor­rer à re­e­lei­ção. Quan­do per­ce­beu mui­ta ani­ma­ção do vi­ce, Ha­mil­ton Mou­rão, Bol­so­na­ro man­dou-lhe um re­ca­do di­re­to: “2022 se­rá eu de no­vo”.

Cor­ren­do pe­lo mes­mo flan­co es­quer­dis­ta, o ex-mi­nis­tro pe­tis­ta Fer­nan­do Had­dad, que per­deu pa­ra Bol­so­na­ro em 2018, tam­bém le­van­ta a mes­ma ban­dei­ra da fren­te de­fen­di­da por Flá­vio Di­no. Ele abriu diá­lo­go com li­de­ran­ças co­mo Gui­lher­me Bou­los, do MTST, o ex-se­na­dor Ro­ber­to Re­quião (MDB-PR), o pre­si­den­te do PSB, Ri­car­do Cou­ti­nho, e ou­tros par­ti­dos de cen­tro-es­quer­da. Ele ava­lia que “os par­ti­dos de cen­tro per­de­ram o bon­de da his­tó­ria, apoi­an­do Bol­so­na­ro em 2018 e ago­ra es­tão en­ver­go­nha­dos”.

Com o país di­vi­di­do en­tre es­quer­da e di­rei­ta co­mo nun­ca se viu em dé­ca­das, o ex-go­ver­na­dor Ci­ro Go­mes, ou­tro pre­si­den­ciá­vel de 2018, sai ba­ten­do du­ro no mai­or par­ti­do de es­quer­da, que é o PT, sem de­mons­trar qual si­nal de sim­pa­tia ou ade­rên­cia de seu dis­cur­so rai­vo­so com os cen­tris­tas, co­mo DEM, PSDB, MDB, PP e ou­tros. Até Ma­ri­na Sil­va en­sa­ri­lhou as ar­ma­das da pró­xi­ma ba­ta­lha, en­quan­to es­pe­ra o que vem pe­la fren­te. Já Flá­vio Di­no vai de­mar­can­do ter­ri­tó­rio, sem me­do de vê-lo gri­la­do lo­go ali adi­an­te.

Es­tra­té­gia fla­vis­tas

Há um es­bo­ço de es­tra­té­gia no Pa­lá­cio dos Leões pa­ra le­var a dis­pu­ta da elei­ção de São Luís em 2020 ao se­gun­do tur­no. En­tre­vis­ta pe­la Rá­dio Mi­ran­te AM, o pre­si­den­te da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, Othe­li­no Ne­to (PC­doB) dis­se que o gru­pão que apoia o go­ver­no po­de lan­çar mais de um can­di­da­to.

No­mes têm

Co­mo fo­ram 16 par­ti­dos em 2018 e di­fi­cil­men­te ha­ve­rá de­ser­ção em 2020, no­mes pre­fei­tuá­veis é o que não fal­ta. Othe­li­no ci­tou o de­pu­ta­do Ru­bens Jr. (se­cre­tá­rio de Ci­da­des), o es­ta­du­al Du­ar­te Jú­ni­or e o do vi­ce-pre­fei­to de São Luís, Jú­lio Pi­nhei­ro. Mas o que vai pe­sar é pes­qui­sa, con­sen­so e a pa­la­vra de Flá­vio Di­no.

Es­que­ce­ram de mim

Othe­li­no es­que­ceu-se de Ne­to Evan­ge­lis­ta (DEM) e do pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, Os­mar Fi­lho (PDT)? Por coin­ci­dên­cia, Os­mar e Ru­bens Jr le­va­ram, on­tem de ma­nhã, um ani­ma­do pa­po, an­tes da ses­são de re­a­ber­tu­ra dos tra­ba­lhos da Câ­ma­ra. Per­gun­ta­do so­bre can­di­da­tu­ra, Ru­bens fu­giu da res­pos­ta. “Não é meu fo­co”.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias