CORONAVÍRUS

No Maranhão

3961
281250
249760
7789
SÃO LUÍS

São Luís e suas diversas transformações ao longo dos anos

O processo de expansão urbanística de São Luís, teve muitas fases para poder ter a sua aparecia e mobilidade atual.

Foto: Reprodução

A grande ilha de São Luís sofreu diversas intervenções nesses 408 anos. Seus progressos na expansão urbana são muito perceptíveis, se comparada com fotos antigas. Mas, o seu processo de expansão urbanístico existe desde 1612, quando a cidade recebeu seus primeiros ocupantes.

Segundo o historiador Antonio Noberto, os franceses, que foram os primeiros habitantes, criaram a cidade a partir da praça Pedro II, onde foi batizado o forte com o nome do rei da França, Luís XIII. Mas, após a chegada dos portugueses e do engenheiro Frias Mesquita, tivemos mais mudanças e dessa vez o primeiro arruamento que cidade recebeu.

“O português Frias de Mesquita, que implantou o modelo de arruamento existente, observado no mapa holandês atribuído a Franz Post (1644), onde aparece a cidade nascente na primeira metade do século XVII, a São Luís recebeu um modelo ortogonal ensinado na Espanha à época, onde Frias de Mesquita estudou,” afirma o historiador.

Os progressos urbanísticos não pararam por aí, no ano de 1770, São Luís se expandiu e nessa época chegando onde atualmente é a Praça Deodoro e o Largo dos Remédios. A cada expansão, a cidade evoluía cada vez mais e uma das principais obras para sua evolução foi o aterro da Praia Grande (1806), pois nessa época a maré conseguia atingir a rua das estrelas e outras ruas. “A obra permitiu a construção da Casa das Tulhas, de dezenas de casarões e de comércios”, disse o historiador.

Os anos passaram e São Luís foi recebendo diversas obras que fez a cidade que temos hoje, um exemplo foi nos anos 40 com a gestão do governador Paulo Ramos. Pois trouxe o surgimento de uma importe expansão, a avenida Getúlio Vargas em 1942.

“O famoso engenheiro e arquiteto cearense Saboya Ribeiro, durante a administração de Pedro Neiva de Santana, elaborou um audacioso projeto de remodelação urbanística para a cidade de São Luís, planejamento que teve maior execução no início dos anos 40, na gestão do governador Paulo Ramos (…) O mandatário estadual, com visão entendida como modernista e, portanto, dissociada da preservação do patrimônio histórico, mandou abrir a Avenida Magalhães de Almeida, onde vários casarões foram destruídos, acessando o Largo do Carmo ao mercado. Foi um audacioso projeto de mobilidade para a época. A abertura da avenida Getúlio Vargas, em 1942, com superfícies de rolamento, ajardinamento e outros benefícios propiciou consideravelmente a expansão da cidade, ligando o Centro ao Anil. O portão da cidade até então localizado na altura do matadouro da Liberdade, foi deslocado dez quilômetros depois para o Anil, que passou a ser o sítio de fiscalização de entrada e saída dos produtos vindos das diferentes regiões da Ilha. A intervenção de Paulo Ramos fez surgir os primeiros pontos de povoação, a exemplo do João Paulo, e deu crescimento a outros lugares como o Monte Castelo (antigo Areal), onde existiam sítios e moradias de ingleses, franceses, comerciantes e famílias ricas. O Anil, por sua vez, contanto com a estrada de ferro São Luís – Teresina e com a urbanização do Caminho Grande, passou a receber todo tipo de benefícios como escolas, igrejas, fábricas, cinemas, comércio, locais de lazer, etc”, explica o historiador.

Durante o governo José Sarney e a nomeação do engenheiro Haroldo Tavares, começaram as primeiras construções para dar uma nova visão de expansão, locais como Barragem do Itaqui, ponte do São Francisco, asfaltamento da Br-135 e a construção do bairro Anjo da guarda, foram momentos históricos para termos a São Luís de hoje. As reestruturações anteriores foram muito importes para a chegada de uma outra obra da capital, que trouxe mais estrutura para a cidade, principalmente para o deslocamento urbano, que foi a obra do Anel Viário.

A grande obra do Anel Viário, envolvia as principais avenidas da capital. Foi uma obra que facilitou a vida das pessoas na questão do deslocamento, pois essas áreas eram ‘mar’ e tiveram que ser aterradas para dar melhor mobilidade. “Em 1971, o governador Pedro Neiva de Santana nomeou o competente Haroldo Tavares como prefeito da capital. Foi oponto de partida para a construção do Anel viário de São Luís e as principais avenidas da capital. Vindo sequencialmente a Avenida Senador Vitorino Freire (Areinha), Av Camboa, Africanos, Holandeses, Jerônimo de Albuquerque, Daniel de la Touche e tantas outras”, completa o historiador.

A atual mobilidade urbana de São Luís é resultado de um grande projeto muito bem elaborado, que trouxe grandes melhorias para a capital, que proporcionou uma melhor comodidade para as pessoas se deslocarem.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Entretenimento e Cultura
Esportes
Polícia
Mais Notícias