SÃO LUÍS 407 ANOS

Saiba os significados dos vários nomes de São Luís: da Ilha Magnética à Jamaica Brasileira

Morar em uma ilha como São Luís é um privilégio para poucos. A cidade, que ao longo de sua história ganhou vários apelidos como Ilha Grande, Ilha do Amor, Ilha Rebelde, Ilha Magnética e outros, continua encantando quem conhece esta ilha que traz no seu DNA tantas outras ilhas

Foto: Reprodução

São Luís completa hoje 407 anos. A ilha, que já foi enaltecida por poetas, escritores, cantores, pintores e fotógrafos apaixonados por sua beleza e riqueza cultural, já recebeu vários apelidos, entre eles: Ilha Grande, Ilha do Amor, Ilha Rebelde, Ilha Magnética, Ilha Bela, Cidade dos Azulejos, Jamaica Brasileira, Atenas Brasileira e tantos outros que tentam definir a Ilha de São Luís, que carrega em sua história tantas outras ‘ilhas’.

A cidade que é a única capital brasileira fundada pelos franceses, ocupada também por portugueses e holandeses, foi batizada pelos índios Tremembés no início de sua fundação, em 1612, com o nome “Upaon-Açu”, que em Tupi-Guarani significa “Ilha Grande”. A denominação indígena foi restabelecida pela Constituição do Estado do Maranhão, presente no Art. 8º – onde leia-se: “…a cidade de São Luís, na ilha de Upaon-Açu, é a capital do Estado”. E foi em busca de tentar entender essas tantas ilhas que habitam na Ilha de São Luís que O Imparcial fez uma pesquisa e descobriu algumas curiosidades sobre os seus apelidos.

São Luís ficou conhecida como a “Ilha Rebelde”. Sobre o assunto escreveu o imortal da Academia Maranhense de Letras (AML) Benedito Buzar em 2016, no artigo De Ilha Rebelde à Ilha Do Amor, explicando que em 1951, como presente pelos seus 349 anos de fundação, a cidade recebeu a denominação de “Ilha Rebelde”, pela brava resistência oferecida, à época, aos detentores do poder. “Essa resistência ganhou visibilidade na greve política contra a posse do governador Eugênio Barros, que, segundo os oposicionistas, vencera a eleição de outubro de 1950, realizada sob os auspícios da fraude eleitoral e com o beneplácito da Justiça. Contra isso se levantou o povo de São Luís através de um fabuloso movimento popular que durou mais de seis meses e com presença nas ruas, dia e noite”, disse Buzar.

O imortal, que atualmente ocupa a Cadeira nº 13 da AML, ressaltou ainda que a cidade foi transformada em trincheira de luta contra o “Vitorinismo” [hegemonia política de Vitorino Freire que terminou em 1965 quando o então deputado federal José Sarney venceu as eleições para o governo do Maranhão pela UDN com o auxílio do presidente Humberto de Alencar Castelo Branco]. Benedito Buzar explica no texto que a cidade, pelo voto, massacrava os candidatos governistas, impondo-lhes derrotas memoráveis. “Se os governistas tinham o domínio político no interior do Estado, na capital, a situação se invertia. Aqui, só os candidatos oposicionistas tinham vez”, ressaltou o imortal.

Buzar lembra ainda no artigo que esse quadro político teve um prazo de validade relativamente curto. “Em menos de vinte anos, como se um processo de anestesia coletiva desabasse sobre São Luís, o eleitorado mudou, acomodou-se e perdeu aquela valentia que lhe era peculiar”, pontou o escritor.

Próxima »1 / 5
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias