FALSIFICAÇÃO

Circulação de notas falsas deixa ludovicenses em alerta

Para não cair no golpe, é importante ficar atento à textura do papel, que é mais áspera que o papel comum, o alto-relevo e veja a marca d’água

Ilustração

Não é de hoje que a circulação de notas falsas tem gerado grandes prejuízos à economia do país. Os pequenos comerciantes são os alvos mais visados pelos falsários, que escolhem preferencialmente os horários de grande movimentação para o “derrame” de notas, especialmente se o estabelecimento não possuir equipamentos que auxiliam nessa identificação, como canetas e luz negra.

De acordo com o delegado da Polícia Civil e Coordenador do Laboratório de Tecnologia Contra a Lavagem de Dinheiro (LAB-LD), Gabriel Neves, a falsificação de dinheiro é prevista como crime no Brasil, com pena de reclusão de 03 a 12 anos e multa.

“É um crime extremamente grave, já que além de afetar diretamente a saúde financeira do país, compromete a confiança que as pessoas têm no regular funcionamento do sistema financeiro. A fé pública que as pessoas têm nos documentos estatais deve ser protegida com todo rigor pelo Estado”, ressalta o delegado.

A pena é aplicada não apenas para quem falsifica, fabricando ou alterando a moeda, mas também àquele que adquire, vende, empresta, guarda ou introduz na circulação a moeda falsa. “Contudo, para que se trate desse crime, é necessário que a falsificação seja convincente, capaz de enganar uma pessoa comum. Caso se trate de falsificação grosseira, poderá configurar o crime de estelionato, com pena de reclusão de 01 a 05 anos”, continua Gabriel Neves.

A competência de apurar crimes relacionados a moeda falsa é da Polícia Federal, mas muitas vítimas também procuram a Polícia Civil para prestar queixa. No Maranhão, no ano de 2017, foram registradas 25 ocorrências, enquanto este ano, de janeiro a setembro, já foram registradas 27 ocorrências. A Polícia Civil encaminha todos os casos dessa natureza para a Polícia Federal.

O QUE FAZER?

As notas mais altas, de R$ 50 e R$100, são as que mais sofrem falsificação. Segundo o delegado de repressão a crimes fazendários da Polícia Federal, Francisco de Assis Rego Neto, quem identificar uma cédula falsa deve procurar a Polícia Federal para registrar a ocorrência.

“Quem tem boa fé não precisa se preocupar. Prejuízo ela já vai ter de qualquer forma, porque se levar ao banco a nota será apreendida e encaminhada ao Banco Central para ser destruída. Se repassar, estará cometendo um crime. Então o melhor é fazer a denúncia, para que possamos realizar perícia e identificar o falsificador”, pontua delegado Francisco Rego Neto.

Para os comerciantes que se deparam com as cédulas, o delegado orienta chamar a Polícia Federal ou Militar para intervir na situação.

Para não cair no golpe, é importante ficar atento à textura do papel, que é mais áspera que o papel comum, o alto-relevo e veja a marca d’água. Segurar a cédula contra a luz e observar se aparecem as figuras que representam os animais é uma das dicas. Nas notas de R$ 10 e R$ 20 os números mudam de cor. Todas as notas contêm um fio de segurança. As de R$ 50 e R$ 100 também possuem uma faixa holográfica, que fica no canto da cédula

Ilustração

CAIXA ELETRÔNICO

Cláudio Costa, secretário de organização do Sindicato dos Bancários do Maranhão explica que nos casos em que o dinheiro falso for recebido em um terminal de auto-atendimento ou caixa eletrônico, a orientação é tirar o extrato naquele mesmo momento para provar que a nota foi recebida no caixa. O banco também vai verificar no sistema de segurança para confirmar o fato.

“Nos demais casos, o procedimento do banco é recolher as notas falsas, em casos do indivíduo portar até duas, sem reembolso a quem estava com elas. Nos casos de alguém ser pego com mais de duas notas falsas, o banco tem que acionar a Polícia Federal para averiguar o origem das notas”, conta Cláudio Costa.

O delegado Gabriel Neves orienta que quem tenha informações sobre locais ou pessoas envolvidas com falsificação de dinheiro auxiliem a polícia através de denúncias à Polícia Civil ou à Polícia Federal. “Todas as denúncias apresentadas serão armazenadas em um banco de dados e serão confrontadas com outras informações já existentes nas bases da polícia, permitindo um perfeito entendimento dos fatos criminosos e a possibilidade de responsabilização de todos os envolvidos”, finaliza.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS