PAÇO DO LUMIAR

Delegado é preso por tortura e morte de detento

Jean Charles estava foragido desde o setembro do ano passado.  A prisão ocorreu no condomínio em Paço do Lumiar, região metropolitana de São Luís

Foto: Reprodução

Superintendência de Polícia Civil do Interior (SPCI) prendeu nesta terça, 8, o delegado Jean Charles da Silva. Acusado de torturar e matar um preso em Coroatá, Jean Charles estava foragido desde o setembro do ano passado.  A prisão ocorreu no condomínio em Paço do Lumiar, região metropolitana de São Luís.

Segundo o superintendente SPCI, Armando Pacheco, o delegado estava de licença desde a expedição do mandado, em setembro. “Ele estava de licença médica e não aparecia para trabalhar em Loreto”, conta. “Estávamos tentando capturar desde quando saiu o mandato, mas ele estava com localização incerta. Anteontem, conseguimos localizar por um trabalho de investigação”, explica o delegado.

O crime

O crime ocorreu em abril de 2001, na cidade de Coroatá. Segundo as investigações, Sebastião Dias Salazar foi preso em Codó, acusado de estuprar uma menina de 13 anos. Réu confesso do crime, Sebastião foi retirado da delegacia e levado para a cidade vizinha por Jean. Ao chegar em Coroatá, o preso morreu no pátio da delegacia vítima da tortura sofrida no trajeto entre as duas cidades.

“Alguém encontrou o corpo carbonizado no outro dia e avisou a polícia”, conta o superintendente. Segundo investigações o corpo estava parcialmente carbonizado, enterrado em uma cova rasa e com a cabeça para o lado de fora. Os policiais chegaram as 20h, com a desculpa de retornarem no outro dia voltaram a delegacia. No outro dia, o corpo havia desaparecido.

Na época o delegado e os policiais foram presos. “O delegado foi expulso da polícia civil, mas conseguiu judicialmente retornar”, confirma o delegado. Após o retorno, ele entrou na justiça para adiar o comprimento da sentença.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS