MANGUETOWN

Você sabia? Área de mangue do Maranhão é a maior do Brasil

O Maranhão é responsável por 36% dos manguezais brasileiros. No entanto, a degradação deste ecossistema ao longo das décadas se torna preocupante

Mesmo com a crescente perda da área de mangue50% apenas em São Luís -, o Maranhão é o estado brasileiro que mais possui manguezais a nível nacional. A região é responsável por 36% do ecossistema no Brasil, seguido do Pará (28%) e Amapá (16%).  As áreas são importantes para amenizar o efeito estufa, além de funcionar como barreiras naturais contra a erosão.

Os dados fazem parte do Atlas dos Manguezais do Brasil, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Segundo as análises, a área do ecossistema situada no norte brasileiro constitui a maior porção contínua sob proteção legal em todo o mundo. São 120 áreas de conservação, que equivalem a 12.114km² (87% do ecossistema em todo o Brasil). No total, a região de manguezais no Brasil é de 14.000km², que dá ao país o segundo lugar em extensão de mangues.

Raiz de mangue preto ou siriba, Praia do Barco, Alcântara, Maranhão. Foto: Ana Mendes / Amazônia Real

Infelizmente, a degradação dos manguezais maranhenses é uma dura realidade. Dados do Departamento de Oceanografia e Limnologia da UFMA revelam que, só em São Luís, a perda é de 18 mil hectares de área de mangue de 1972 a 2015, equivalentes a mais de 50% de uma área de 35 mil hectares.

Leia mais sobre a degradação dos manguezais de São Luís

Sobre os manguezais

Os mangues designam um grupo diverso de árvores tropicais, que embora sejam de famílias botânicas diferentes, possuem características fisiológicas parecidas. As espécies podem crescer em ambientes abrigados, banhados por águas salobras ou salgadas, com oxigênio reduzido e substrato inconsolidado.

Projeto Manguezais do Brasil

A publicação do atlas em formato digital é fruto do Projeto Manguezais do Brasil (GEF/Mangue), implementado pelo Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento – Brasil (Pnud), com o apoio do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), e coordenado pela Diretoria de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial de UCs (Disat), do ICMBio.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS