2017

Jumentos provocam 112 acidentes em BRs no Maranhão

Em 2017, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal, 112 acidentes registrados nas BRs 010, 135, 222, 226, 230, 316 e 402 foram causados por envolvimento de animais na pista

Foto: Reprodução

Em 2017, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal, 112 acidentes registrados nas BRs 010, 135, 222, 226, 230, 316 e 402 foram causados por envolvimento de animais na pista. As estradas sob jurisdição da 18ª SRPRF/MA contabilizaram 65 feridos leves, 24 feridos graves, oito mortes e dois acidentes graves. Neste ano, de janeiro a março, já ocorreram 19 acidentes, com dois óbitos: um na BR-135 e outro na 222.

Ninguém pode ignorar o risco que é trafegar com um animal solto na pista. Para aumentar ainda mais o perigo, a falta de prudência e atenção no trânsito, e nesse período a pouca visibilidade por causa das chuvas, são demonstradas por esse levantamento negativo nas BRs.

Quando se está dirigindo é preciso estar atento a tudo que acontece ao redor e preparado para qualquer tipo de imprevisto, incluindo a aparição de algum animal à frente do veículo. Por isso, constantemente a PRF realiza operação de apreensões, como a que ocorreu no dia de ontem (terça-feira) em que foram recolhidos alguns animais.

Em 2017 foram recolhidos pelos caminhões boiadeiros da PRF 223 animais. A PRF acredita que esse número deve ser maior, pois nem todos são registrados nos sistemas do órgão.

“A PRF está fazendo um trabalho mais constante de apreensão face à grande quantidade de acidentes que aconteceu do final do ano passado pra cá. Todo período de chuva a visibilidade diminui e, com a presença de animais, aumenta a quantidade de acidentes, por isso a operação. Inclusive, a última apreensão foi sob chuva”, diz o inspetor da PRF, Antônio Noberto.

A operação aconteceu também na região de Balsas e Imperatriz. Segundo a PRF, a ação é proveniente de parcerias feitas com algumas prefeituras do Maranhão. Os animais são apreendidos e levados para determinados currais sob a responsabilidade de prefeituras, a exemplo de Miranda do Norte, Santa Rita, dentre outras.

O objetivo da PRF é celebrar convênios com prefeituras maranhenses para minimizar as ocorrências envolvendo animais na pista. A presença de animais na rodovia, além dos riscos de acidentes graves e, portanto, de danos físicos aos usuários da via, gera mais gastos para os municípios, que precisam dispor de um aparato como médicos e outros profissionais, equipamentos e ambulâncias para socorrer os acidentados.

“Temos tirado muitos animais de circulação nessa área. A BR-135, por exemplo, vai do Km 0 (do aeroporto) até o quilômetro 200, próximo de Peritoró; entra na BR-222, na direção de Chapadinha, Itapecuru, Vargem Grande, e também na BR-222, no sentido Santa Inês. Esse é o trecho que está sendo coberto por essa equipe nessa operação específica. Tem outras equipes que estão atuando fora”, disse Antônio Noberto.

Consequências

Foto: Reprodução

O que pode acontecer com o proprietário de um animal que provocar um acidente na rodovia? Segundo explica a PRF, uma pessoa que deixa o seu animal, seja uma vaca, um boi ou o próprio jumento, solto na rodovia e causar algum acidente grave, uma vez que a pessoa é identificada, vai para Delegacia da Polícia Civil e depois encaminhada para responder de forma legal por essas ações. Tanto pode ser a questão do simples abandono do animal na rodovia como simplesmente também se causar um dano maior em relação ao veículo ou relação à vida também.

Nos convênios firmados entre a PRF e as prefeituras, estas arcam com a estrutura física para abrigar os animais apreendidos, além de disponibilizar material humano. Em Imperatriz, por exemplo, a multa por animal apreendido é de R$ 60, mais R$ 15 por diária de hospedagem. Se após 10 dias de apreendido o animal não for resgatado ou reclamado, ele pode ser doado à universidade.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS