CORONAVÍRUS

No Maranhão

1026
26145
6664
853
PELE

Excesso de ál­co­ol gel pode causar lesões, afirmam especialistas

Devemos lembrar que o uso indiscriminado de produtos abrasivos em contato com a nossa pele, pode gerar sérios problemas dermatológicos

Reprodução

Com a pandemia da Covid-19, o uso do álcool em gel passou a fazer parte do cotidiano da maioria das pessoas. Lavar as mãos ainda é a maneira mais eficiente de evitar o contágio por vírus como o novo coronavírus, no entanto, muitos preferem o produto pela praticidade.

O problema se fica o alerta que o uso excessivo do álcool em gel pode provocar a dermatite de contato e até intoxicação nas crianças.

O uso constante do álcool em gel ajuda a remover a camada lipídica da pele, a gordurinha que a protege. A remoção dessa camada expõe a pele a fatores externos.

Sem essa barreira, um perfume, detergente ou até mesmo sabonete podem irritar a pele e provocar vermelhidão nas mãos. Nesses casos, a primeira atitude é lavá-las com água corrente. Caso a vermelhidão evolua para o descamamento ou o surgimento de bolhas, o ideal é procurar um dermatologista.

1 – O uso em excesso do álcool em gel pode ressecar a pele, especialmente das crianças, que são mais sensíveis. É preferível usar água e sabão para lavar as mãos de crianças. Devemos optar pelo uso do sabão neutro, pois o sabão amarelo é feito à base de soda cáustica e pode causar algum problema dermatológico nas mãos
2 – Também não devemos misturar o uso do álcool em gel com o sabão amarelo, pois esta combinação agride a pele
3 – Para evitar que a pele fique ressecada pelo uso do álcool em gel é recomendado o uso de cremes hidratantes duas vezes ao dia
4 – Aplicar pequenas gotas do gel nas mãos é o suficiente, não precisamos exagerar na dose, assim manteremos a saúde de nossas mãos
5 – Se faz necessário o revezamento do álcool em gel com outros produtos, também eficazes na higienização , como os sabonetes, que agridem menos a pele
6 – Em se tratando de álcool, o mais indicado para uso contínuo e permanente é a solução com 70% de álcool e 30% de água
Já no caso do sabonete, o mais indicado para manter as mãos livres dos germes, sem ressecar a pele, é o sabonete de glicerina.

Cuidados diários com as mãos é essencial

Uso de filtro solar com proteção ampla pela manhã. A proteção diária é essencial para evitar as chamadas manchas senis que tendem a aparecer nas pessoas de pele clara, por volta dos 40 anos. Neste caso a proteção precisa ser em relação a luz ultravioleta A e ultravioleta B, para evitar o fotoenvelhecimento precoce.


A hidratação é fundamental para manter a qualidade da pele das mãos, principalmente, se houver manipulação de agentes químicos; quando o uso rotineiro de luvas é recomendado. Os hidratantes devem ter substâncias que mantenham a água na pele e também promovam um filme protetor como: uréia, sorbitol, ácido hialuronico, alantoina, silicones, óleos vegetais, vitamina E entre outros. O hidratante pode ser usado em toda a mão, inclusive nas unhas várias vezes ao dia. Para melhorar a hidratação, colocar luva plástica após o creme, permanecendo com a mesma durante 2 horas ou mais, pois através do aumento de temperatura o creme irá proteger mais. Os mesmos cremes utilizados para o tratamento do envelhecimento do rosto podem ser usados para as mãos.


Tratamento para as mãos:
As manchas senis, tão indesejáveis para as mulheres começam a aparecer por volta dos 40 anos e podem ser tratadas por diversos tipos de substâncias ou procedimentos:

  • Aplicação de nitrogênio líquido – substância química que causa queimadura pelo frio
  • Ácido tricloroacético – em apresentação líquida ou em forma de pasta que irá provocar a formação de crosta e descamação
  • Laser, aparelho capaz de emitir luz que provoca queimadura local. Hoje ele é o tratamento mais especifico para as manchas senis. A luz do laser tem como alvo a cor marrom e atinge somente a mancha, sem queimar o restante da pele.
  • De uma maneira geral, todas estas substâncias provocam um tipo de queimadura levando a formação de crosta. Esta “casquinha” deve cair após 8-12 dias quando a pele ainda permanece avermelhada por alguns dias. Nos dias subsequentes ao tratamento a pele deve ser protegida do sol, e a noite tratado com pomada de antibiótico. O clareamento ocorre em cerca de 15 dias.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias