DOIS MUNDOS

A saga de Antônio Silva: de Pirata da Litorânea a Stone Black

No próximo dia 23 de fevereiro, o personagem da Litorânea será descontinuado. Em seu lugar, surgirá Stone Black, o ilusionista

Foto: Paulo Malheiros

Em Catolé do Rocha, na Paraíba, Antônio Carlos da Silva, 46 anos, teve seu primeiro contato de amor com o Maranhão. Foi através de uma professora de artes plásticas, por quem se apaixonou aos 10 anos de idade. “Rapaz, ela tinha 33. Mas meu amor era forte”, explicou, quando nos recebeu em sua casa: a Praia Litorânea, em São Luís.

Apesar de ter iniciado a vida na pintura muito cedo, o lado artístico de Antônio teve seu ponto de partida na dança. “Chegou um circo na minha cidade, e eles faziam os concursos de imitação de Michel Jackson, Luiz Caldas. Eu ganhava todos”, disse com orgulho. O sucesso foi tanto que ele foi convidado a seguir com o circo no restante da turnê pelo Brasil. “Eu era um menino pobre do sertão. Eles me davam comida e eu levava pra casa, para as minhas irmãs terem o que comer”, me contou com os olhos marejados. Antônio decidiu não seguir com o circo. Não podia deixá-las desamparadas.

Anos depois, em 1999, com as irmãs crescidas e um filho encaminhado, Antônio Carlos decidiu por em prática seu sonho de menino. Juntou dinheiro, comprou um Fusca 83 e decidiu viajar. “Eu viajei toda a América Latina. Mas o melhor: as praias do Brasil, eu conheço todas elas”, disse, como quem ostenta um troféu.

A paixão pelo mar é tanta que durante a jornada decidiu mudar. “A vida que eu tinha era nova, merecia ser um novo também.” Não seria mais Antônio Carlos Silva. Nasceu, então, o Pirata. Um personagem que desbravaria os quatro cantos do litoral. Mas diferente de uma peça que termina com a encenação. O Pirata seria uma personagem permanente.

“É difícil as pessoas entenderem que um cara vive um personagem. Elas acham que sou mendigo. Elas não entendem a arte.”, Antônio Silva, o Pirata da Litorânea

Saúde, paz, vida e ‘haribô

Foto: Paulo Malheiros

Após sua grande excussão, Pirata decidiu parar em São Luís. “Eu olhei esse mar, achei o mais lindo de todos. Talvez porque me fazia lembrar o meu amor de infância”, olhos marejados novamente. Com o auxilio de comerciantes da área, Pirata já faz parte do calçadão da Litorânea, sua casa há oito anos. Mas decidiu mudar.

No próximo dia 23 de fevereiro de 2017 (data exata informada pelo Pirata), o personagem da Litorânea será descontinuado. Em seu lugar, surgirá Stone Black, o ilusionista. “Com esse novo personagem eu vou ter a oportunidade de usar truques que aprendi no circo. Eu vou poder morar em uma casa e deixar a praia”, esclareceu.

O novo protagonista, segundo o criador, é fruto de uma saudade dos tempos de picadeiro e uma maneira de aplacar algumas restrições do personagem ala Jack Sparrow. “Não é todo mundo que consegue isso que eu faço. Acham que eu sou louco. Mas que bom que existe a democracia, porque eu sou livre para fazer o que eu acho certo”, alfinetou.

Stone Black se apresentará também na praia. “Mas só durante a noite”, segundo o quase-ex-Pirata. “Agora é uma nova fase. Obrigado a todos, vocês do Maranhão já são parte de mim. Saúde, paz, vida e ‘haribô.’”

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS