CORONAVÍRUS

No Maranhão

1701
70689
47776
1760
CORONAVÍRUS

OMS pede aumento da produção mundial de dexametasona para enfrentar covid-19

Este medicamento é o primeiro a mostrar melhora entre os portadores de coronavírus, no momento em que ainda não há vacina

Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor da OMS. (foto: CHRISTOPHER BLACK/AFP)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta segunda-feira um aumento na produção de dexametasona, um potente corticoide que demonstrou ser eficaz no tratamento de pacientes  graves com covid-19.

Leia também: Novo coronavírus: estudo aponta que dexametasona pode reduzir mortes de pacientes graves

“O próximo desafio é aumentar a produção e distribuir a dexametasona de maneira rápida e equitativa em todo o mundo, concentrando-se em onde é mais necessária”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante uma entrevista coletiva virtual da sede da organização em Genebra.

“Felizmente, é um medicamento barato e existem numerosos fabricantes de dexametasona em todo o mundo, que estamos convencidos de que podem acelerar a produção”, acrescentou.

De acordo com os primeiros resultados do ensaio clínico britânico Recovery publicado na semana passada, a dexametasona reduz a mortalidade em um terço entre os pacientes com COVID-19 mais graves.

Este medicamento é o primeiro a mostrar melhora entre os portadores de coronavírus, no momento em que ainda não há vacina. Já é usado em muitas indicações por seu poderoso efeito anti-inflamatório. 

O estudo britânico também mostrou que a mortalidade é reduzida em até um quinto entre os pacientes menos graves, que recebem oxigênio com uma máscara, sem a necessidade de intubação. 

Por outro lado, o tratamento não mostrou nenhum benefício para pacientes que não precisam de assistência respiratória.

O diretor-geral da OMS afirmou que “a dexametasona só deve ser usada em pacientes com COVID-19 gravemente enfermos, sob supervisão médica rigorosa”.

“Não há evidências de que este medicamento funcione em pacientes com condições benignas ou como medida preventiva e pode causar danos”, insistiu.

Após a publicação dos resultados do estudo, o governo britânico anunciou que usaria esse tratamento imediatamente para tratar os pacientes afetados.

Um medicamento de outra família, o antiviral remdesivir, mostrou alguma eficácia em acelerar a recuperação de pacientes hospitalizados por COVID-19. Mas não demonstrou efeito na prevenção de mortes.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias