ELEIÇÕES 2018

Ausência de voto útil polariza as eleições no Maranhão

Até agora não surgiu nem sinal de uma terceira via à esquerda, com Ramon Zapata (PSTU), ou à direita, com Maura Jorge, do PSL de Jair Bolsonaro

(Foto: Reprodução)

As eleições estão a menos de um mês e a disputa pelo governo do Maranhão permanece com a polarização petrificada entre Flávio Dino, governador, e sua antecessora Roseana Sarney, tão conhecida do eleitorado, pelos 14 anos de governança no Palácio dos Leões, quanto o nome de José Sarney. Ele é mais, graças à mais longa permanência de um político brasileiro no poder oligárquico – 50 anos.

Até agora não surgiu nem sinal de uma terceira via à esquerda, com Ramon Zapata (PSTU), ou à direita, com Maura Jorge, do PSL de Jair Bolsonaro. As pesquisas são desencontradas, mas sempre sem mudar a posição de cada qual, dos seus postulantes ao Palácio dos Leões. Roseana se desdobra no vasto conhecimento do nome e sobrenome, mas com uma campanha engessada pelas regras eleitorais e pela pouca aderência de seu discurso como opositora. São meias palavras rubricadas com meias verdades. Já Flávio Dino navega “em céu de brigadeiro”, com o galardão de quem permanece à frente.

É isso que as pesquisas indicam, ainda com a vantagem de carregar a força emanada do Poder Executivo, num estado onde nada acontece sem sua interferência. Os demais candidatos – Roberto Rocha, Maura Jorge, Ramon Zapata e Odívio Neto – sumiram na fumaça do salão da festa. O horário eleitoral não provocou solavanco na corrida ao Palácio dos Leões e o eleitorado ainda não os chamou para a dança. Nem a turma do voto útil não percebeu a presença do quarteto em si.

No Maranhão, em cada eleição, existem dois partidos: o dos Sarney e o dos anti-Sarney. É tipo a eleição americana, guardada a necessária desproporção – democratas e republicanos. No Maranhão, é rara a disputa do governo quebrar essa corrente dicotômica eleitoral. No sistema eleitoral brasileiro, cheio de nuances e artimanhas, o que caracteriza o voto útil é o mesmo que voto tático. Pode ser chamado também de voto estratégico. Ocorre em eleições com mais de dois candidatos.

Um segmento de eleitores fornece informação enganadora com o objetivo de maximizar a utilidade do seu voto. Se um eleitor acredita que o seu candidato preferido não tem chances de ganhar, por exemplo, ele pode optar por candidato que não gosta, com o objetivo de emparedar ou impedir a vitória do que detesta.

A análise do voto tático é um tópico estudado pela teoria dos jogos. O jogo político o aproveita dentro de sua modelagem nativa e matreira.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS