ELUCIDAÇÃO

Jovem morto em supermercado de São Luís não sofreu tortura, aponta laudo

Darlon invadiu o estabelecimento comercial em junho de 2019.

Darlon foi imobilizado após invadir supermercado. (Foto: Reprodução)

 O laudo da morte do jovem Darlon Oliveira dos Santos, de 23 anos, morto dentro do supermercado Mateus no bairro Cohab, em São Luís, apontou que o óbito não foi provocado por asfixia humana ou outros métodos de tortura.

O caso ocorreu no dia 12 de junho de 2019, e ainda está sendo investigado pela Polícia Civil do Maranhão (PC-MA). Darlon invadiu o estabelecimento comercial por volta da meia noite, e foi contido pelos funcionários e posteriormente pelos seguranças.

Laudo do Instituto Médico Legal aponta que morte da vítima foi por asfixia indeterminada. (Foto: Reprodução)

Imagens das câmeras de monitoramento interno do supermercado mostram o momento em que o invasor é imobilizado. Logo após a Polícia foi acionada, assim como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), que já encontrou o jovem sem sinais vitais.

Imagens mostram invasor sendo imobilizado. (Vídeo: Reprodução)

Apesar de fontes não oficiais divulgarem que o jovem morto era negro, o documento de identificação emitido pela Secretaria Estadual de Segurança Pública informa que Darlon era de cor parda.

Documento de identificação de Darlon mostra que ele era pardo. (Foto: Reprodução)

Em nota publicada nesta quarta-feira (22), a rede de supermercados Mateus também reforçou que “o laudo emitido pelo IML concluiu que não houve tortura e não atestou asfixia decorrente de ação humana”. Confira a nota na íntegra:

O inquérito sobre o caso ainda não foi concluído. Ao contrário do que está sendo noticiado, de acordo com documento emitido pela Secretaria Estadual de Segurança Pública, Darlon Oliveira do Santos não é classificado como negro. Já o laudo emitido pelo IML, concluiu que não houve tortura e não atestou asfixia decorrente de ação humana.

VER COMENTÁRIOS
Esportes
Entretenimento e Cultura
Concursos e Emprego
Polícia
Mais Notícias