9 de outubro

Dia do atleta: os grandes nomes do atletismo maranhense

A data homenageia uma das práticas esportivas mais antigas do mundo, conhecida por “esporte-base” por usar os movimentos primários do ser humano: correr, andar, saltar e arremessar.

ia do Atletismo é comemorado anualmente em 9 de outubro. (Foto: Divulgação)

O atletismo nasceu na Grécia, onde foram criados os estádios para realização das corridas a pé. Foi na Grécia também que houve o primeiro registro de uma competição de atletismo, durante as Olimpíadas realizadas em 776 a.C. O Dia do Atletismo é comemorado anualmente em 9 de outubro. A data homenageia uma das práticas esportivas mais antigas do mundo, conhecida por “esporte-base” por usar os movimentos primários do ser humano: correr, andar, saltar e arremessar.

Raimundo Rocha, “Dico”

Um dos maiores atletas maranhenses de todos os tempos. Nasceu em 11 de fevereiro de 1903, em Barro Vermelho, município de Viana – MA. Alcançou outros títulos sugestivos como campeão regional de Atletismo, além de outros esportes, pois era um atleta completo. Em toda a sua carreira esportiva ganhou 48 medalhas, sendo 35 de ouro: corrida rústica; provas de velocidade; salto com vara; arremesso do peso; lançamento de dardo; lançamento de disco.

Rubem Teixeira Goulart

Nasceu em Guimarães – MA, no ano de 1920. Veio para São Luís em 1935, iniciando sua carreira esportiva. Na Escola Nacional de Educação Física conquistou títulos em voleibol, basquetebol e atletismo. Foi vice-campeão de halterofilismo, peso médio, além de ter participado das Olimpíadas Universitárias de 1942, nas representações de vôlei, basquete, futebol e atletismo. Alcançou os seguintes lugares nas provas de Atletismo: 2º lugar nos 100 metros rasos, com a marca de 11,2s; 2º em salto em distância num espaço de 6,25 metros; 2º no salto em altura com 1,70 m (igualou também o recorde); obteve lugar em arremesso do peso com 12 metros; sagrando-se ainda campeão por equipe no revezamento 4 x 100 metros. Em 1943, durante as Olimpíadas Universitárias e diversas competições atléticas no Rio de Janeiro-RJ, defendendo as cores do Fluminense, saindo-se vice-campeão do decatlo, com 5.007 pontos

Ary Façanha de Sá

Atleta e dirigente de atletismo, nasceu em 1º de abril de 1928, no município de Guimarães-MA. Em São Luís, cursou o ginasial no Colégio de São Luiz, do prof. Luiz Rego – criador dos Jogos Intercolegiais – pelo qual disputou as provas de 100 e 200 metros. Além do salto em distância, conseguiu a destacada marca de 5,00 metros. Em 1952, foi recordista sul-americano de salto em distância, com 7,57 m, o que lhe valeu a convocação para a Olimpíada de Helsinque daquele ano, tendo conquistado o 4º lugar no salto em distância. Em 1955, bateu o recorde pan-americano, com a marca de 7,84 metros, a quarta marca do mundo. Foi atleta da Seleção Brasileira de Atletismo – e do Fluminense-RJ – e recordista sul-americano do salto em distância, participou de duas Olimpíadas, de 1952 e 1956. Professor de Educação Física, formado pela Escola Nacional, foi um dos introdutores do Intervaltraining (tipo de treinamento que envolve uma série de exercícios de alta intensidade intercalados com períodos de descanso ou alívio) no Brasil, assim como um dos idealizadores dos Jogos Escolares Brasileiros-JEBs.

Francisco Ronaldo Maciel Oliveira, “Codó”

Nascido em Codó – MA – daí seu apelido – em 11 de abril de 1962, de uma família pobre, morava na casa dos avós, pois o pais não tinham condições de ter casa própria. Com muito sacrifício, foi estudar na capital São Luís, sendo aprovado – em 1977 – no Curso Técnico em Administração do Liceu Maranhense.

No Liceu, começou a praticar atletismo conquistando a medalha de ouro nos 100 e 200 metros rasos dos JEMs de 1978 e 1979. Nesse mesmo período, competindo pelo MAC, de São Luís, foi campeão do Troféu Norte e Nordeste de Atletismo, defendendo as cores do Maranhão; conseguiu, ainda, um título de vice-campeão brasileiro juvenil no Campeonato Brasileiro disputado em São Paulo-SP. Treinando na Pista do 24o. BC, do Exército Brasileiro em São Luís, correndo ladeira abaixo, Codó fazia 11,0 s, sendo sua melhor marca 10,8; no Castelinho, na mesma cidade, conseguia fazer 10,8; e em São Paulo, naquele Campeonato Brasileiro Juvenil, fez 10,6, ficando atrás apenas de Robson Caetano, com 10,5. Em Brasília, nos JEBs, fez um 5º lugar, repetindo a marca de 10,6, isso em 1979-1980.

Nildes Maria Nogueira

Campeã mundial do Pentatlo Nacional. Nasceu em São Luís em 1961. Estudante do CEMA em São Luís, onde começou a treinar atletismo, destacava-se nas provas de 400, 800, e 1.500 metros, além dos saltos em altura. Em 1980, representando o Brasil em Atlanta-EUA, sagrou-se campeã mundial daquela competição, disputando contra a campeã americana, a campeã da África e a da Europa. Convocada para a Seleção Brasileira de Atletismo para o campeonato sul-americano, disputado em Buenos Aires, sagrou-se campeã no Revezamento 4 x 400.

VER COMENTÁRIOS
Esportes
Entretenimento e Cultura
Concursos e Emprego
Polícia
Mais Notícias