DEDICAÇÃO

Como usar as férias para se preparar para o Enem e os vestibulares

Confira alguns cuidados que devem ser tomados para estudar da maneira mais produtiva possível

Reprodução

Chegaram as férias de julho e, para o vestibulando, fica sempre aquela dúvida: será que ele deve estudar ou apenas descansar neste período de recesso?

Discussão sempre controversa, tal escolha varia muito de acordo com o ritmo que vem sendo seguido até aqui, bem como a carreira/faculdade para o qual o aluno deve prestar vestibular. E, mais do que isso, mesmo para os que muito estudaram, será que tal estudo foi de qualidade?

Já faz muito tempo que sabemos que ficar longas horas em frente ao livro ou apostila não significa que algo está sendo absorvido. Pelo contrário, muitas vezes, a pressão por um alto rendimento acaba afetando o aluno, que compromete a sua aprendizagem estabelecendo metas que se baseiam apenas no número de horas estudando, sem o menor planejamento.

Segundo Marina Albuquerque, professora da plataforma Fábrica D (situada em www.fabricad.online), há situações em que o aluno tenta o vestibular e obtém um desempenho até melhor do que quando ele vai pro terceiro ano. Tudo isso reforça o quanto a pressão ocasiona um baixo retorno na derradeira hora da prova.

“Existe uma grande pressão dos cursos de que somente um A pode garantir a aprovação, mas isso não é verdade, tudo depende do grau de concorrência da carreira-alvo do aluno”, completa Marina.

Então, neste recesso, o aluno deve repensar como tem estudado até agora, redirecionando seus esforços para a realidade do vestibular que ele vai enfrentar.

O diretor da plataforma de ensino Fábrica D, Alexandre Azevedo, alerta que a pior coisa é o aluno estudar deitado e/ou apenas lendo o conteúdo: “o aluno geralmente gosta de criar a falsa ilusão de estar entendendo, deixando de lado a resolução de exercícios, onde ele muitas vezes vai finalmente ver no que é que ele precisa focar”.

Sendo assim, ele montou uma lista de alguns cuidados que devem ser tomados para estudar da maneira mais produtiva possível:

  • Evite estudar deitado, a menos que você tenha problemas de sono e queira finalmente dormir;
  • Procure dar uma rápida lida no material, de preferência uma hora antes da aula do professor e uma outra logo após a mesma. A primeira vez vai ajudar o aluno a já ir pra aula sabendo aquilo que ele leu e sentiu muita dificuldade. A segunda, é para aproveitar que ele saiu da aula, dar uma lida muito rápida, repassando as suas anotações e partindo pros exercícios. Deve-se adotar o slogan de aula dada, aula estudada. A memória do aluno é a chamada memória volátil, ou seja, se o aluno não treinar, ele vai esquecer. E, a pior sensação que se pode ter é pegar uma prova e sentir que poderia ter acertado, mas esqueceu a fórmula ou algum detalhe, ficando no meio do caminho;
  • Muitas vezes, o aluno consegue maior efetividade ao estudar os assuntos de trás pra frente ou numa ordem totalmente aleatória. A regra é uma só: quanto mais aquilo parecer prazeroso ao aluno, maior a sua capacidade de assimilação.
  • O aluno tem que conhecer o tipo de prova que ele vai fazer, sabendo peso das matérias, bem como quais são específicas à sua carreira. Diante disso, também é válido entender quais assuntos são mais cobrados. Não se senta para estudar Biologia, a ideia é pegar a apostila ou site e buscar um assunto específico, como Ecologia. Além de ser algo mais planejado e direcionado, ao fazer isso, o aluno estabelece uma meta possível de ser cumprida, não incorrendo em frustrações, principal motivo de todo o planejamento ir por água abaixo;
  • Cuidado com o modelo de redação. Para quem vai tentar a Fuvest, por exemplo, o modelo de redação é bem diferente do ENEM. O mesmo vale para a UERJ, faculdade estadual do RJ.

Se o aluno demora a engrenar, não conseguindo ficar longas horas em frente ao livro, vale à pena fazer um rodízio entre a matéria que ele menos sabe e a matéria em que ele já se encontra num nível mais alto. Sabemos que é cansativo ficar muito tempo na matéria em que ainda está se dando os primeiros passos e, sendo assim, vale alternar este estudo com outros assuntos. Para facilitar, existem muitos métodos de estudo, como o método Pomodoro, em que o aluno deixa intervalos de cerca de 5 minutos de descanso a cada cerca de 15 min de estudo.

  • Não confundam resumos com reescrever toda a apostila! Algumas pessoas marcam praticamente a apostila inteira na hora de(tentar) resumir! Atualmente, a elaboração de mapas mentais tem sido muito utilizada, principalmente para aqueles alunos cuja memória visual é o principal meio de assimilar conteúdo.

Segundo Alexandre, para o ENEM, em particular, o aluno deve saber que existem conteúdos nos quais o aluno deve focar, principalmente pelo fato da pontuação do ENEM valorizar o acerto das questões mais fáceis, que englobam assuntos como porcentagem, regra de três, análise de gráficos, geometria plana e questões básicas de função. Então, estando há poucos meses da prova, vale à pena o aluno focar naquilo que é principal. “Geometria Analítica, trigonometria, logaritmos, são assuntos que caem vez ou outra, não tendo nenhuma relevância para o aluno, dependendo da carreira que ele quer”.

A professora Marina alerta que gramática, por exemplo, é uma matéria cujo conteúdo ajuda de forma indireta na elaboração de uma boa redação no ENEM, não existindo tanta cobrança na prova de Português em si.

Então, após ler tudo isso, vale à pena que o aluno avalie o que ele estudou até aqui. Se ele vem estudando com afinco, mesmo que não tenha seguido estas dicas, é bom que ele descanse, evitando o seu esgotamento psicológico e mental na hora da prova. Caso ele não tenha estudado até aqui, então vale à pena se organizar e recuperar o tempo perdido, tendo em mente que a essa altura ele tem de focar no que é essencial em cada matéria.

O curso intensivo do site Fabrica D tem justamente o objetivo de direcionar o aluno nesta reta final, seja aquele que quer repassar o que foi estudado, seja aquele que apenas agora vai realmente direcionar seus esforços para conseguir a sonhada vaga.

Se possível, evite familiares e amigos com comportamento nocivo. Professores de cursinho costumam, muitas vezes, ouvir relatos de alunos que sofrem pressão de familiares, muitas vezes como : “Ah, você ainda não passou? “ ou “Fique calmo, a sua tia que é uma grande cirurgiã levou cinco anos para passar no vestibular!”.

Por fim, um ambiente muito bem organizado e arejado faz toda a diferença. Tudo isso em prática, dá para ter a melhor preparação, bem como ter tempo de ter visa social, basta saber aproveitar muito bem o tempo disponível.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias