EM ALERTA

Chega a 81 número de mortes por Febre Amarela no Brasil

Os dados, referentes ao período de 1º de junho 2017 a 31 de janeiro de 2018, fazem parte do levantamento realizado pelo ministério da Saúde

Foto: Reprodução

Chega a 213 o número de casos de Febre Amarela confirmados no Brasil. Os dados, referentes ao período de junho 2017 a janeiro de 2018, fazem parte do levantamento realizado pelo ministério da Saúde. Segundo o órgão já são 81 mortos pela doença. São Paulo é o estado que concentra maior parte desse número. No Maranhão, a Secretaria de Saúde afirma que ainda não foi registrado nenhum caso da doença.

Tendo em vista o grande número de casos, a OMS tem acompanhado atentamente a situação do Brasil. Regulamente, a organização disponibiliza atualizações permanente para viajantes, com informações sobre quais cidades estão na área de risco. 

Para o médico Clínico Geral,  Bernado Martins, os casos que estão ocorrendo no sudeste são isolados e não há motivo para pânico. “Por muito tempo o Ministério da Saúde fez políticas de vacinação para a doença. Após o controle dos focos, o ministério parou com as políticas educativas e deixou a vacinação permanente”, afirma o médico.

Segundo pesquisa realizada pela Fiocruz, desde 2000 o país já enfrentou pelo menos 3 surtos de Febre Amarela Silvestre. A pior foi no primeiro trimestre do ano passado, quando os números chegaram a 777 casos confirmados e 261 óbitos. “Neste ano, tem sido observado um aparecimento inesperado de casos em áreas urbanas, como na região metropolitana de Belo Horizonte”, alerta o epidemiologista da UFMG, David Soeiro.

Há a necessidade de tomar a vacina novamente?

Desde o ano passado, a Organização Mundial da Saúde recomenda que a vacinação seja feita apenas uma vez na vida. “Tomada a vacina, você não precisa mais de outra dose. Não tem motivo para preocupação nenhuma, nem pânico. Muito menos nas áreas onde tem focos da doença. Não é uma coisa descontrolada”, alerta Bernardo Martins.

Como ocorre a transmissão?

Na Febre Amarela Silvestre, os principais vetores transmissores são mosquitos silvestres dos gêneros Haemagogus e Sabethes. Na Febre Amarela Urbana a transmissão para o ser humano acontece principalmente pelo Aedes aegypti.

Há dois tipos da Febre Amarela: Silvestre e Urbana. O Virus é o mesmo, mas o transmissor muda.

“Na febre amarela Silvestre, que ocorre em macacos, os principais vetores transmissores são mosquitos silvestres. Nesses casos, as pessoas são infectadas acidentalmente, quando vão não vacinadas, para áreas rurais ou silvestres. Na Febre Amarela Urbana a transmissão para o ser humano ocorre principalmente pelo Aedes aegypti”, explica David Soeiro.

“O diagnóstico é realizado em laboratórios de referência. Há procedimentos específicos para coleta de material em humanos e animais. Neste último, ressalta-se a importância da participação de médicos veterinários”, explica o epidemiologista David Soeiro.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS