Imprudências

Mortes aumentaram 23% nas estradas em dezembro

Por causa das festas de fim de ano e início das férias, o mês de dezembro costuma ter maior volume de carros circulando pelas estradas. Óbitos crescem no último mês do ano em relação aos demais

Movimento intenso nas estradas do Maranhão (Foto: Honório Moreira)

Dezembro é um período de maior volume de carros circulando pelas estradas por conta das festas de fim de ano e início das férias escolares. E, também costuma ser o mês de trânsito mais violento. Segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), entre 2007 e 2014, foram contabilizados 818 óbitos em estradas federais na média nos meses de dezembro de cada um dos anos citados. Enquanto isso, o mesmo indicador aponta para uma média de 666 óbitos ocorridos ao longo de cada um dos demais meses – o que aponta para um crescimento de 23%.

O ONSV considerou que essa frequente alta não se justifica apenas pelo maior volume de veículos em circulação. É preciso considerar a postura inadequada dos condutores. Ainda conforme a entidade, estima-se que em 90% das ocorrências o fator humano é o responsável diante da desatenção e desrespeito à legislação, como aqueles que misturam álcool e direção. Conforme a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), essa mistura é algo frequente para metade dos motoristas brasileiros.

Na última operação de fim de ano realizada pela Polícia Rodoviária Federal, no período entre 23 de dezembro de 2016 e 1º de janeiro de 2017, e de 17 de fevereiro de 2017 a 5 de março de 2017, mais de um milhão e meio de pessoas foram fiscalizadas. No total, foram aplicadas 588.067 autuações, sendo 8.551 por alcoolemia, 66.774 por ultrapassagens irregulares e 4.783 por falta de uso de cadeirinha para crianças.

Foram registrados 2.769 acidentes em rodovias federais (aproximadamente 11 por hora). O saldo foi de 2.868 feridos e 225 mortos (22 óbitos por dia).
A especialista em segurança e educação no trânsito, Roberta Torres, chama a atenção para alguns cuidados antes de pegar estrada, como ficar atento quanto à revisão do veículo, checar se a documentação do carro está em dia, assim como sempre utilizar o cinto de segurança, obrigatório para todos os ocupantes do automóvel, inclusive no banco de trás.

“É preciso observar a importância de planejar a viagem e ainda checar a existência de pontos de parada para descanso no caminho, por exemplo. Também é necessário verificar a previsão do tempo nos locais por onde o motorista passará ao longo da viagem. Com a chegada do verão são mais presentes as fortes chuvas em alguns pontos do país. Diante disso, é necessário observar os riscos envolvidos com aquaplanagem e baixa visibilidade, o que exige atenção”, frisou a especialista.

Operação Rodovidas

A Operação Integrada Rodovida, que tem como objetivo reduzir os acidentes nas estradas nos períodos de comemorações de fim de ano, férias escolares de verão e Carnaval vai até o dia 18 de fevereiro de 2018, com ações de aumento da fiscalização de trânsito nas estradas para coibir ultrapassagens irregulares, excesso de velocidade, consumo de álcool, atropelamento de pedestres e trânsito irregular de motocicletas.

A operação envolverá todo o efetivo da PRF. Nesta edição, a Rodovida estará focada nas principais atitudes dos condutores que acarretam acidentes graves. Nos últimos anos, esses motoristas têm sido as principais vítimas dos acidentes com mortes, principalmente na Região Nordeste.

Custo social

As regiões com a maior quantidade de trechos críticos terão atenção redobrada, recebendo mais recursos para deslocamento de efetivo dentro do estado e, dependendo dos resultados, poderá receber reforço de efetivo de outras localidades. De acordo com dados do Ministério da Saúde foram registradas, em 2014, 8.230 mortes somente nas rodovias federais. Estudos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) realizados também em 2014 apontam que cada acidente sem vítima custou à sociedade R$ 23 mil, com vítima R$ 90 mil e com morte, R$ 646 mil.

Redução significativa

Desde a primeira edição da operação, realizada entre 2011 e 2012, a PRF registrou queda significativa de quase 40% no número de mortos em relação à frota. Para se ter ideia, somente na edição passada, a Rodovida conseguiu uma redução considerável no número de mortes nos estados do Paraná (67%), Minas Gerais (47%) e Bahia (39%).

MOSTRAR MAIS