CASO ALANNA

Réu confesso: estuprou e matou a menina Alanna Ludmila

Robert Serejo, ex-padrasto, confessou o crime. As informações foram confirmadas em coletiva na tarde deste sábado, 4, pela polícia

Foto: Honório Moreira

Robert Serejo Oliveira, ex-padrasto de Alanna Ludmila é réu confesso. Ele assumiu autoria do crime em depoimento na tarde de hoje. Sem expressar arrependimento ou comoção, Serejo afirmou que se dirigiu à casa da vítima com intenção de matá-la, sem contar com auxílio de terceiros para execução do plano. O criminoso será encaminhado para o Centro de Triagem de Pedrinhas e seguirá para área de isolamento.

Segundo a delegada responsável pelos casos de feminicídio, Viviane Azambuja, a intensão de Robert sempre foi matar a vítima.”Ele chamou a menina pela janela, como ela não atendeu, ele pulou o muro e, com uma chave, teve acesso. Abriu a grade dos fundos e adentrou. Segundo informações do próprio Robert, ela estava saindo do banheiro somente de blusa e toalha. Ele a agarrou e encobriu os gritos da vítima com a própria mão. Em seguida, a violentou sexualmente e finalizou com a morte por asfixia, já que colocou sacos plásticos na cabeça de Ludmila”, informou a delegada.

Confira a coletiva na íntegra:

Robert Serejo confessa crime

Posted by O Imparcial on Saturday, 4 November 2017

Tentativa de fuga

Robert foi encontrado na manhã deste sábado, quando tentava fugir para o interior do estado e acabou embarcando em uma van na qual os sargentos Burgos e César, lotados no 6º BPM, estavam a caminho de um evento esportivo no município de Pirapemas. Robert  foi reconhecido pelos policias que, imediatamente, solicitaram que o motorista parasse o veículo na barreira policial da BR-135. Deu-se a captura. O réu trajava a mesma roupa de quando prestou o primeiro depoimento, na madrugada desta quinta-feira, dia 2, após o desaparecimento da pequena Ludmila.

O adeus

Com muita comoção e revolta, familiares e amigos deram o último adeus à  Alanna Ludmila na manhã deste sábado, dia 4. O corpo da menina foi velado na Unidade Integrada Marly Sarney, no Maiobão, em Paço do Lumiar. Centenas de pessoas, vizinhos, amigos mais próximos e curiosos, sensibilizados com a perda, passaram pelo local. A família, no entanto, precisou lidar com a revolta de populares, causada pela divulgação de informações ainda não confirmadas pela Polícia e boatos espalhados pelas redes sociais.

Nesta sexta, 3, Alanna foi encontrada morta, no quintal de casa, encoberta de telhas e entulhos.

Boatos prejudicam  familiares 

O tio lamenta não poder estar presente nos últimos momentos de Alanna com a família. “Nós só pudemos ficar durante 20 minutos no velório, que foi quando a multidão se dispersou. Está sendo um pesadelo não poder estar ao lado da nossa menina”. As ameaças começaram assim que boatos circularam na internet, associando o tio ao acusado do crime.

Uma fotografia de Jefferson começou a ganhar repercussão no Facebook, confundindo o tio com o ex-padrasto. “Nós estamos correndo risco de vida por conta de uma informação errônea. Mas em contrapartida, eu também queria agradecer a quem contribuiu ajudando a divulgar a imagem do verdadeiro assassino. Mas eu apelo que não divulguem informações erradas. Eu sou um tio que lutou até o último minuto”, suplica Jefferson.

Entenda o caso 

Na manhã da última quarta-feira, dia 1º, a mãe de Alanna, Jaciane Borges Pereira, deixou a menina sozinha em casa para participar de uma entrevista de emprego. Ao retornar, horas mais tarde, não teria encontrado novamente a filha.

Segundo Jaciane, a menina já tinha ficado sozinha outras vezes em casa e sabia, inclusive, que não deveria abrir a porta para ninguém sem a presença da mãe. Robert tinha uma cópia da chave e esteve no local horas antes da mãe se ausentar

Nas próximas horas, Robert Serejo, ex-padrasto e de quem a mãe estava separada há dois meses, passa a ser o principal suspeito pelo desaparecimento de Alanna.

Ele ainda chegou a prestar depoimento na delegacia na madrugada de quinta-feira, dia 2, e sumiu em seguida. Robert foi capturado pela polícia por volta do meio dia deste sábado, 4, em uma barreira policial, na Estiva, Zona Rural de São Luís.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS